Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Não faço críticas à Operação Lava Jato, faço críticas aos excessos, diz Kakay

    'Argumento [de que a investigação pode ser o fim da independência do Ministério Público] é fora da realidade', disse o criminalista

    Da CNN, em São Paulo

    Crítico da Operação Lava Jato, o criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, diz que a reação contra a operação é, na verdade, uma resposta aos excessos cometidos pelas investigações. O advogado rechaçou a ideia de que os movimentos contrários à operação são uma forma de revide das elites políticas afetadas pelo inquérito.

    “Não há nada de orquestrada contra a operação, mas sim uma discussão sobre fazer valer a constituição. Todo o enfraquecimento do lava jatismo se deu pelos excessos. Minhas críticas não contra a Operação, minhas críticas são contra os excessos”, disse em entrevista à CNN.

    Assista e leia também:

    Celso de Mello suspende processos contra Deltan no CNMP

    Governo entrega ao STF relatório de caso de suposta produção de dossiês

    Lava Jato em Curitiba diz que compartilhar dados com PGR seria ‘abuso’

    Kakay foi questionado sobre as acusações de que a abertura da investigação pode afetar a autonomia da Ministério Público, algo que o criminalista discorda. Ele acrescentou que acredita que o inquérito pode servir para mostrar que ninguém está acima da lei.

    “Argumento [de que a investigação pode ser o fim da independência do Ministério Público] é fora da realidade. A abertura do processo faz bem para a sociedade como um todo para mostrar que ninguém está acima da lei. O MP faz bem em combater os excessos”, completou.

    O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, em entrevista para a C
    O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, em entrevista para a CNN (17.ago.2020)
    Foto: CNN Brasil

    (Edição: Paulo Toledo Piza).