Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    No Dia da Visibilidade Lésbica, deputadas relatam ameaças e propõem leis

    Plenário da Câmara recebeu representantes de movimentos sociais e organizações da sociedade civil nesta terça

    Participaram da sessão a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, e a secretária de Políticas LGBTQIA+ do Ministério dos Direitos Humanos, Symmy Larrat
    Participaram da sessão a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, e a secretária de Políticas LGBTQIA+ do Ministério dos Direitos Humanos, Symmy Larrat 09/11/2021REUTERS/Adriano Machado

    Pedro Nogueirada CNN

    Brasília

    Para marcar o Dia da Visibilidade Lésbica, a Câmara recebeu, nesta terça-feira (29), dois projetos de lei relacionados aos direitos das mulheres lésbicas.

    Um dos projetos cria um Protocolo Nacional de Acolhimento e atendimento à Mulher Lésbica vítima de violência física, sexual e/ou psicológica.

    O PL 4155/2023 propõe a fixação de cartazes educativos em estabelecimentos de grande circulação, o incentivo à diversidade sexual e de gênero nas empresas e determina medidas do poder público para atendimento às vítimas de lesbofobia.

    Outro projeto cria oficialmente o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, a ser comemorado no dia 29 de agosto.

    Durante a sessão solene, a Deputada Daiana destacou as ameaças de morte e violência sexual sofridas pelas parlamentares Bella Gonçalves (PSOL/MG) e Rosa Amorim (PT/PE), em razão de sua orientação sexual.

    VÍDEO – Pacheco e Lira dizem a aliados que são contra anular impeachment de Dilma

    As deputadas registraram boletins de ocorrência na última semana, relatando as ameaças de “estupro corretivo”, como é conhecido o ato de violência sexual com o suposto objetivo de reverter a homossexualidade.

    Participaram da sessão solene para celebrar a data a Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, a Secretária Nacional de Políticas LGBTQIA+ do Ministério dos Direitos Humanos, Symmy Larrat, a Deputada Federal Daiana Santos (PCdoB-RS), que é autora dos projetos de lei.

    Além disso, o plenário recebeu também representantes de movimentos sociais e organizações da sociedade civil.