Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Oposição quer convocar ministro Silvio Almeida para prestar esclarecimentos sobre “dama do tráfico” na Câmara

    Cinco requerimentos que pedem a convocação do ministro serão analisados pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle na próxima segunda

    Ministério dos Direitos Humanos foi responsável por pagar passagens de Luciane Farias
    Ministério dos Direitos Humanos foi responsável por pagar passagens de Luciane Farias Tânia Rêgo/Agência Brasil

    Mayara da Pazda CNN

    Brasília

    A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara deve analisar, na próxima segunda-feira (20), cinco requerimentos que pedem a convocação do ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida.

    Os pedidos são para que o ministro preste esclarecimentos ao colegiado sobre a pasta ter pago passagens aéreas e diárias para Luciane Farias, conhecida como a “dama do tráfico”, para participar de agendas do governo federal em Brasília.

    Os requerimentos foram protocolados por deputados da oposição ao governo. São eles:

    • Kim Kataguiri (União Brasil-SP);
    • Eduardo Bolsonaro (PL-SP);
    • Carlos Jordy (PL-RJ);
    • Junio Amaral (PL-MG); e
    • Adriana Ventura (Novo-SP).

    Luciane é esposa de Clemilson dos Santos Farias, conhecido como Tio Patinhas. Ele é apontado como um dos chefes de uma facção criminosa no Amazonas.

    Os dois foram condenados, em segunda instância, por lavagem de dinheiro, associação para o tráfico de drogas e organização criminosa. Clemilson cumpre pena de 31 anos em um presídio no Amazonas.

    Oposição pede impeachment do ministro

    Nessa quinta-feira (16), um grupo de 46 deputados apresentou um pedido de impeachment contra Silvio Almeida.

    Encabeçado pelo deputado Rodrigo Valadares (União Brasil-SE), o pedido de impeachment diz que, ao custear as despesas de Luciana para participar de agenda em Brasília, o governo “pôs o aparato estatal à disposição de indivíduo umbilicalmente ligado ao tráfico de ilícito drogas”.

    Para o deputado, a conduta de Silveira evidencia uma “cumplicidade no mínimo escandalosa”. “A sua conduta, para além de evidenciar uma cumplicidade no mínimo escandalosa das altas esferas da Administração federal com o crime organizado, que passou a frequentar os mais nobres salões do Poder Executivo, é demonstrativa também da sua disposição de – à frente do Ministério dos Direitos Humanos – utilizar os recursos do Estado em prol para facilitar a penetração de associados criminosas no âmago do aparato público”, diz o documento.

    Entre os deputados que assinam o pedido, 30 são do Partido Liberal (PL), do ex-presidente Jair Bolsonaro e principal sigla de oposição ao governo no Congresso.

    Partidos como União Brasil, Republicanos e PP, que integram o primeiro escalão do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), somam cinco, três e duas assinaturas, respectivamente. O Novo é responsável por três assinaturas. Podemos, PSD e Patriota têm uma assinatura cada um.