Osmar Terra vê quarentena ‘inútil’ e diz que epidemia acaba em SP em até 30 dias

Na última semana, a CNN revelou conversa em que o ex-ministro da Cidadania discutia com Onyx Lorenzoni a saída de Mandetta do Ministério da Saúde

O ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra
O ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Diego Freire,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em uma série de tuítes entre a noite de segunda-feira e a madrugada desta terça (14), o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) declarou que “a epidemia de coronavírus termina em São Paulo em menos de 30 dias” e chamou a quarentena realizada no estado de “inútil”. Na última semana, o governador João Doria anunciou a extensão das medidas de isolamento nos municípios paulistas até 22 de abril

O médico foi ministro da Cidadania do governo de Jair Bolsonaro até fevereiro de 2020 e ministro do Desenvolvimento Social no governo Michel Temer. Defensor da flexibilização das medidas de isolamento desde o início da crise da COVID-19, Terra recentemente comentou com Onyx Lorenzoni planos para a saída do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, em áudio revelado pela CNN. 

Mandetta prega a importância do isolamento e a gravidade do novo coronavírus, enquanto o presidente Jair Bolsonaro já chamou a doença de “gripezinha” e defendeu que a quarentena se estenda apenas a grupos de risco, em linha semelhante à de Osmar Terra. 

Leia também
Ouça trecho de áudio do deputado Osmar Terra em conversa com Onyx 

Quarentena ‘inútil’

“Está terminando a epidemia em São Paulo. O pico foi no final de março! Quarentena inútil”, escreveu Osmar Terra na noite desta segunda, exibindo um gráfico que sugere redução de novos casos e mortes nos municípios paulistas.

“A não ser que falte alguma informação, tudo indica que São Paulo já atingiu o pico da epidemia e está diminuindo rapidamente o número de casos novos”, acrescentou. O político avaliou que o contrágio freará com “a imunidade de mais ou menos 60% da população já com anticorpos”.

Na tarde desta segunda, o governo de São Paulo anunciou 20 novas mortes e 140 novos casos de COVID-19 em relação ao dia anterior, elevando os números do estado para 608 óbitos e 8.895 casos confirmados desde o início dos registros da doença.

Os números oscilaram nos últimos dias: foram 736 novos casos em 10 de março, seguidos de registro de 203 casos no dia 11 e 336 no domingo (12), antes de queda para 140 nesta terça. O recorde no registro de casos ocorreu em 8 de abril (1.026).

Já os óbitos foram 44 (no dia 10), 20 (no sábado, 11) e 28 (domingo, 12) antes dos 20 no último dia de balanço. O número mais alto foi divulgado em 9 de abril (68 mortes). Os dados atualizados podem ser acessados na página do governo estadual.

Especialistas apontam, porém, que os casos ainda podem estar subnotificados pela falta de testes, que hoje priorizam pacientes com sintomas graves da doença. As estatísticas também não mostram necessariamente as mortes que ocorreram no dia da divulgação, como há casos de óbitos aguardando testes para comprovarem a COVID-19 como causa. 

Em outra postagem, o deputado resgatou uma previsão do Instituto Butantan divulgada em 6 de abril, que estimou cerca de 1.300 mortes no estado até 13 de março, mesmo com a adoção de medidas restritivas. O levantamento calculou, ainda, cerca de 670 mil hospitalizações no estado ao longo de seis meses.

“Olha o Instituto Butantan fazendo terrorismo e se desmoralizando!!! Alguém avise a eles que a epidemia em São Paulo está terminando em menos de 30 dias”, escreveu Osmar Terra.

Mais Recentes da CNN