Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pazuello chama criminalista especialista em tribunal de júri para ajudar na CPI

    O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello chamou o advogado criminalista Zoser Hardman para ajudar na sua estratégia de defesa na CPI da Pandemia

    Caio Junqueirada CNN

     O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello chamou o advogado criminalista Zoser Hardman para ajudar na sua estratégia de defesa na CPI da Pandemia.

    O advogado tem experiência em tribunais de júri e na defesa de investigados pelo Ministério Público e pela polícia. Na lista de clientes estão Salvattore Cacciola e acusados de integrar milícias no Rio de Janeiro. 

    Hardman também foi assessor especial do Ministério da Saúde. Chegou à pasta na gestão Nelson Teich e acabou ficando quando Pazuello o sucedeu. Esse foi um dos critérios pelos quais Pazuello o escolheu: ele vivenciou de perto toda a passagem dele na pasta.

    Hardman já vem atuando nos bastidores na estratégia jurídica da CPI. As orientações que ele tem dado a Pazuello se baseiam em um tripé: dar respostas curtas, não cair em provocações e evitar nas respostas dar munição para os senadores na réplica.

    A ideia de Pazuello ao trazer o criminalista foi atrair alguém de fora do governo que pudesse focar exclusivamente na sua defesa, uma vez que há a avaliação dentre interlocutores do ex-ministro que a Advocacia-Geral da União (AGU), a quem o governo delegou a sua defesa, acaba fazendo uma defesa mais ampla e com prioridade para defender o governo como um todo.

    Fontes asseguram que não há pagamento no serviço.

    Tanto que deverá haver uma mudança no advogado da União responsável por Pazuello. Tercio Issami, adjunto do advogado-geral da União, André Mendonça, continuará a coordenar a defesa do governo na CPI, mas Diogo Palau, que cuida, por exemplo, da defesa de Pazuello na ação promovida pelo Ministério Público Federal do Amazonas e no inquérito aberto pelo STF (Supremo Tribunal Federal), dará atenção mais exclusiva ao ex-ministro na CPI. 

    Deverá ser ele, e não mais Issami, a acompanhar Pazuello na CPI no dia 19 de maio.

    O ministro da Saúde Eduardo Pazuello durante entrevista coletiva
    Ex-ministro deve depor à CPI no dia 19 de maio
    Foto: Anderson Riedel/PR (18.jan.2021)