Pesquisa mostra chances de pré-candidatos à Presidência segundo investidores

Levantamento da XP revela que Lula tem 45% de chance de ganhar; Bolsonaro, 26% e Moro, 16%, de acordo com mercado financeiro

Artur Nicocelido CNN Brasil Business*

São Paulo

Ouvir notícia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 48% de chance de ganhar a eleição de 2022, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece com 26%, segundo pesquisa da XP feita online com 91 investidores institucionais (grandes bancos e gestoras).

Na sequência, aparece o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro (Podemos), com 16%. O ex-juiz da Lava Jato se filiou ao partido em 10 de novembro. Em quarto lugar está o governador do estado de São Paulo João Doria (PSDB), com 5%.

Por último, entre eles, vem Ciro Gomes (PT), com 3%.

Expectativa dos ativos

Os participantes também foram questionados sobre economia.

Caso o Lula ganhe, 32% dos entrevistados do mercado financeiro acreditam que os preços dos ativos cairão de 5% a 10%, enquanto 15% pensam que haverá uma queda de 10% a 20%.

Caso o petista seja eleito, 21% dos entrevistados imaginam que o Ibovespa perderá de 10% a 20%, enquanto 19% pensam que não haverá nenhuma mudança.

Por outro lado, caso Bolsonaro permaneça no cargo, 46% julgam que não haverá nenhuma mudança nos preços dos ativos. Para 45% dos entrevistados, o Ibovespa permanecerá no mesmo patamar.

Já Doria divide opiniões. Uma parte acredita que haverá uma valorização de 5% a 10% no índice, enquanto a outra metade pressupõe que haja um crescimento de 10% a 20% nos ativos. Para 31%, o Ibovespa subirá de 10% a 20%.

37% dos entrevistados acreditam ainda que o preço dos ativos subirá de 5% a 10%, caso Moro seja eleito, enquanto 33% afirmam que o Ibovespa terá uma alta de 10% a 20%.

Por fim, 34% dos grandes bancos e gestoras dizem que os ativos perderão de 10% a 20% do seu valor, caso Ciro Gomes seja eleito. E, ao mesmo tempo, 24% pensam que o principal índice brasileiro terá uma queda de 20% a 30% no próximo ano, com o pedetista no poder.

 

Mais Recentes da CNN