Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF faz operação no Nordeste contra suspeitos de desviar verba do orçamento secreto

    Cerca de 60 policiais federais cumprem 16 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão temporária no Maranhão e no Piauí

    Lucas RochaLeonardo RibbeiroVianey Bentesda CNN

    em São Paulo e em Brasília

    A Polícia Federal (PF), em conjunto com a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF), realiza nesta sexta-feira (14) uma operação para desarticular grupo criminoso responsável por inserir dados falsos em sistemas do Sistema Unificado de Saúde (SUS), do Ministério da Saúde, para receber repasses federais decorrentes de emendas parlamentares.

    A Justiça Federal de Bacabal, no Maranhão, expediu 16 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão temporária, nos municípios de Igarapé Grande, Lago do Junco, Lago dos Rodrigues, Caxias e Timon, no Maranhão, além de Parnaíba e Teresina, no Piauí. Duas pessoas foram presas.

    De acordo com a PF, as investigações apontaram que o município de Igarapé Grande teria informado, em 2020, a realização de mais de 12,7 mil radiografias de dedo. No entanto, a sua população total da cidade não supera os 11,5 mil habitantes, fato que culminou na elevação do teto para o repasse de recursos que financiam ações e serviços de saúde no ano subsequente (2021), segundo a PF.

    De acordo com o documento que determinou a ação, “os representados participaram de empreitada para inserir informações superestimadas de produção em sistemas eletrônicos do Sistema Único de Saúde – SUS, com o intuito de majorar indevidamente o teto de repasse de ações e serviços de média e alta Complexidade financiados com recursos de emendas parlamentares do famigerado ‘orçamento secreto’ (emendas RP 9), desviando os recursos através de contratos administrativos fraudulentos”.

    A PF afirma que foram verificados indícios de fraudes em contratos firmados pelo município de Igarapé Grande como meio de desviar recursos recebidos indevidamente. Além disso, os responsáveis pela inserção de dados falsos nos sistemas do SUS, alvos de prisão temporária, são suspeitos de terem efetuado as práticas ilegais investigadas em vários municípios maranhenses desde o ano de 2018.

    As empresas investigadas ocupam posições de destaque no “ranking” das empresas que mais receberam recursos públicos da saúde no período de 2019-2022 no estado do Maranhão, sendo que uma delas foi contemplada com quase R$ 52 milhões recebidos.

    Dentre as medidas cautelares expedidas, destacam-se o afastamento de servidor público do cargo, em razão da posição que ocupava durante o período da inserção dos dados falsos nos sistemas do SUS e da formalização de parte dos contratos investigados, e a suspensão do direito dos empresários e empresas investigadas de participarem de licitações e de contratarem com órgãos públicos.

    Segundo a  PF, caso sejam confirmadas as suspeitas, os investigados poderão responder por inserção de dados falsos, fraude à licitação, superfaturamento contratual, peculato, lavagem de dinheiro e associação criminosa.