PF instaura inquérito para investigar ligação de Kalil com empresários de ônibus de BH

Empresas do setor de transporte público teriam sido beneficiadas em acordos com a prefeitura e feito pagamentos para o político

Marcos Guedesda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

A Polícia Federal (PF) instaurou inquérito no início deste mês para apurar uma denúncia de que Alexandre Kalil (PSD), ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao governo de Minas Gerais, teria recebido doações não registradas de empresários ligados ao setor de transporte público da capital mineira.

A CNN teve acesso à documentação que deu base às investigações, que aponta que parte desses valores teriam sido aplicados na pré-campanha de Alexandre Kalil para o cargo de governador do Estado e também na pré-campanha de Adalclever Lopes, ex-secretário municipal de governo de Kalil, para o cargo de deputado estadual, ambas relacionadas ao pleito de 2022. A denúncia também menciona que parte dos valores recebidos teriam sido usados para a campanha em que Kalil se reelegeu prefeito de Belo Horizonte, em 2020.

Pedido de abertura de inquérito contra Alexandre Kalil, feito pelo Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais

Os documentos sugerem que a prefeitura de Belo Horizonte tem favorecido economicamente as empresas do setor em contratos e com benefícios econômicos. Entre os benefícios, o adiantamento de R$ 218 milhões às empresas de ônibus, “a fim de melhorar o fluxo de caixa das prestadoras dos serviços de transporte coletivo por conta da escassez de recursos em decorrência da pandemia”, segundo o documento de maio de 2020.

O adiantamento em créditos de vale transporte foi tema de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) municipal, que sugeriu, em novembro do ano passado, o indiciamento de Kalil por peculato, prevaricação e condescendência criminosa. O relatório final da comissão foi encaminhado ao Ministério Público, que investiga o caso sob sigilo.

Início da investigação

A documentação aponta que o ex-chefe de gabinete de Kalil, Alberto Lage, esteve na Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo, do Ministério Público Estadual de Minas Gerais, em 26 de outubro do ano passado, para prestar um depoimento espontâneo.

Na ocasião, Lage relatou que Kalil iniciou o mandato como chefe do Executivo prometendo combater a máfia do transporte da capital mineira e jamais cumpriu a promessa. O denunciante também relatou que viu, em duas ocasiões, Adalclever Lopes transportando grande quantidade de dinheiro vivo, que foi entregue em pagamento da confecção de vídeos de candidatos a vereadores da coligação.

Trecho do inquérito contra Alexandre Kalil
Trecho da denúncia contra Alexandre Kalil / Reprodução

Ainda de acordo com o relato, a chegada de Adalclever ao gabinete de Kalil está relacionada com “uma hostilidade mais forte do prefeito em relação à pauta do transporte coletivo”.

O depoimento prestado na promotoria do Ministério Público Estadual (MP-MG) foi compartilhado com o Ministério Público de Contas (MPC), sendo que, ao tomar conhecimento das denúncias, o procurador Glaydson Santo Soprani Massaria remeteu a documentação à Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de Minas Gerais.

No ofício do procurador, em que são indicados “possíveis ilícitos”, ele relata que “a narrativa do depoimento de Alberto assume especial gravidade diante do fato de que, nos dois últimos anos, o Município de Belo Horizonte e as empresas concessionárias de transporte coletivo urbano têm firmado acordos extremamente benéficos aos interesses econômicos destas últimas, em detrimento do interesse público”.

Trecho do inquérito contra Alexandre Kalil
Trecho da denúncia contra Alexandre Kalil / Reprodução

O procurador também descreve em documento que “o Chefe do Poder Executivo Municipal tem feito significativas liberalidades econômicas em favor das concessionárias em total desrespeito às regras vigentes. Tais benesses foram cuidadosamente inseridas em acordos perante o Ministério Público Estadual e também perante o Poder”.

Em 8 de abril, a promotora de Justiça Marta Alves Larcher, do Ministério Público Eleitoral, requisitou à PF a instauração de inquérito para apurar o crime que teria sido cometido por Kalil e Adalclever. O documento foi recebido pela PF no dia 11 daquele mês, sendo que em 1° de junho o inquérito policial foi instaurado na Delegacia de Defesa Institucional.

Pedido de abertura de inquérito contra Alexandre Kalil, feito pelo Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais / Divulgação

Respostas

Procurado, Alexandre Kalil enviou a seguinte nota: “Investiguem! Chegou a campanha eleitoral e corrupto é que tem medo de investigação de Ministério Público e Polícia Federal”.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Adalclever Lopes informa que não tem conhecimento do inquérito.

Mais Recentes da CNN