PF investiga venda de dados de Bolsonaro e de ministros do STF

Presidente e magistrado estariam entre os alvos de um megavazamento que atingiu milhões de brasileiros

Cerimônia de posse do presidente Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF)
Cerimônia de posse do presidente Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF) Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A Polícia Federal investiga um esquema de venda na internet de dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A informação é da âncora da CNN Daniela Lima.

Os autos foram enviados ao diretor-geral da PF, delegado Rolando Alexandre, pelo ministro do STF Alexandre de Moraes.

Na segunda-feira (1º), o site do jornal O Estado de S.Paulo noticiou que os dados de ministros e do presidente da República estariam a venda na internet. Eles seriam vítimas, assim como outras dezenas de milhões de brasileiros, de um megavazamento de dados pessoais e empresariais.

Fux citou a reportagem em um ofício a Moraes, que é o relator do inquérito que investiga notícias falsas e ameaças aos ministros da Suprema Corte.

Na decisão em que determinou à PF a abertura da investigação, o ministro cita quatro sites:

  • fuivazado.com.br
  • raidforums.com/Thread-SELLING-JBR-Serasa-Experian-Full-Service
  • raidforums.com/Thread-Just-Brazil-Basic-PF
  • drive.protonmail.com/urls/RG3F26N3FC.

O ministro Alexandre de Moraes determinou aos provedores de mecanismos de busca, como Google, Yahoo, Ask e Bing, que retirem quaisquer menções aos sites citados.

Os três últimos seriam plataformas da chamada “deepweb” ou “darkweb”, que é uma espécie de segunda internet que está alheia aos mecanismos de busca e a rastreamentos, frequentemente associada às atividades ilegais.

Moraes também determinou que “bloqueiem o acesso e exibição do material divulgado pela imprensa,  consistente em dados privados, ilegalmente obtidos, dos ministros do STF e de outras autoridades”.

Publicado por Guilherme Venaglia

Mais Recentes da CNN