Planalto vê falta de sintonia de Weintraub, e Bolsonaro entrevista substitutos

À CNN, um auxiliar direto de Bolsonaro avaliou que, enquanto o presidente vem agindo para “proteger” e tirar o ministro do campo de ataque

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, na reunião ministerial em 22 de abril, no Palácio do Planalto.
Ministro da Educação, Abraham Weintraub, na reunião ministerial em 22 de abril, no Palácio do Planalto. Foto: Marcos Corrêa/PR

Igor Gadelhada CNN

Ouvir notícia

A situação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, no governo está cada vez mais complicada. Integrantes do Palácio do Planalto veem uma falta de sintonia do titular do MEC com o presidente Jair Bolsonaro, que já começou a conversar com possíveis substitutos para o cargo.

Leia também:
Liberais e olavistas de governo disputam escolha de novo ministro da Educação
‘Não sei meu futuro, está difícil prever’, diz Weintraub

À CNN, um auxiliar direto de Bolsonaro avaliou que, enquanto o presidente vem agindo para “proteger” e tirar o ministro do campo de ataque, buscando uma “saída honrosa”, Weintraub estaria agindo para obter ganhos políticos com a crise envolvendo seu nome.

Nesse cenário — e com a pressão cada vez maior do Supremo Tribunal Federal pela demissão do ministro –, o presidente já começou a conversar com possíveis substitutos para o MEC. Como a coluna noticiou ontem (15), Bolsonaro quer alguém que agrade à militância, como Weintraub.

Alguns auxiliares presidenciais apostam que o ministro deve deixar o cargo ainda nesta semana. Bolsonaro avalia três opções para nomear Weintraub: um posto diplomático, um cargo de assessor especial no Planalto ou como número 2 de Onyx Lorenzoni no Ministério da Cidadania.

Mais Recentes da CNN