Eleições 2022: CNN lança plataforma que torna mais acessível a análise de pesquisas eleitorais

Ferramenta é lançada em parceria com o Instituto Locomotiva e já pode ser acessada pelo site CNN

Soraya LauandAnna Gabriela CostaThiago Félixda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A menos de quatro meses das eleições, a CNN Brasil e o Instituto Locomotiva lançaram, nesta terça-feira (14), uma plataforma para ajudar o eleitor brasileiro a acompanhar os resultados das pesquisas de intenção de voto. O agregador de pesquisa eleitoral 2022 vai reunir o resultado de diferentes métodos de levantamentos e estimar as tendências da eleição deste ano.

O agregador de pesquisas é a média se baseia em três variáveis: tamanho da amostra, metodologia aplicada e histórico de acerto dos institutos, conforme explicou, em entrevista à CNN, o presidente do  Instituto Locomotiva, Renato Meirelles.

“Nós fomos olhar o histórico de acerto de cada instituto de pesquisa. Nós olhamos os métodos de pesquisas utilizados. Se foram pesquisas telefônicas, pesquisas presenciais, online, calculamos a margem de erro de acordo com o número de brasileiros, de eleitores que foram pesquisados”, explica.

“Com isso, nós conseguimos saber exatamente o peso adequado de cada nova pesquisa que dá, possibilitando ao telespectador da CNN saber naquele exato momento se o resultado da última pesquisa conversa ou não com os resultados anteriores, dando uma média de todas as pesquisas oficiais registradas no TSE [Tribunal Superior Eleitoral], isso facilita, inclusive, aos eleitores enxergarem as tendências nas eleições presenciais no Brasil”, incluiu o presidente do Instituto.

Normalmente, os institutos de pesquisas publicam seus resultados com uma margem de erro que mede o quão exato é o resultado, quanto maior o tamanho da amostra, menor essa margem. Mas, a ideia da plataforma lançada pela CNN é atingir um grau de precisão superior à qualquer uma das pesquisas publicadas.

“Ter insumos para estabelecer os rumos das eleições ou as estratégias necessárias para se mudar no cenário eleitoral, passam a ser acessíveis não apenas aos analistas políticos, mas ao conjunto de telespectadores da CNN Brasil. A cada nova pesquisa o telespectador da CNN, o leitor do site da CNN, consegue saber qual o resultado mais próximo da realidade naquele minuto que a pesquisa foi divulgada”, disse Meirelles.

A plataforma mostra quatro médias dentre todas as pesquisas registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE): intenção de votos, rejeição, avaliação e aprovação do governo e comparativos históricos dos últimos quatro anos com eleições presidenciais no país.

Renato Meirelles
Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, em entrevista à CNN (14.06.22) / Reprodução/CNN

“Este é um agregador que vê a rejeição de cada candidato. Numa eleição polarizada como a nossa, tão importante quanto saber quem está na frente é saber quais são aqueles candidatos que não são votados de jeito nenhum. Com isso, a gente consegue calcular a margem de crescimento de cada candidatura tem, conseguimos saber os resultados eleitorais por região do país”, disse Meirelles.

Metodologia

Uma das vantagens do método é conseguir equilibrar as metodologias diferentes.  Pode buscar tanto as pesquisas presenciais quanto pesquisas por telefone, por exemplo, e fazer um cálculo estatístico para ter um diagnóstico mais preciso.

“A vantagem do agregador é que nós conseguimos colocar no mesmo lugar tanto pesquisas telefônicas quanto pesquisas presenciais e pesquisas online, mantendo a visão sobre o que vai acontecer no processo eleitoral, o retrato da realidade de hoje sempre buscando, conseguindo manter de forma atual o resultado de diferentes métodos de pesquisa”, explica o presidente do Instituto Locomotiva.

“Cada método tem o seu viés. A vantagem do agregador é que você, assim como nos institutos de pesquisa, consegue tirar o que cada método tem de melhor”, acrescenta.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Mais Recentes da CNN