Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por SP, Boulos deve modular discurso em aceno à classe média alta

    Ideia é que, já na pré-campanha municipal, o deputado federal do PSOL não faça um discurso apenas focado na periferia, mas que também contemple demandas dos bairros mais ricos

    Gustavo UribeBasília Rodriguesda CNN em Brasília

    Com o aceno de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o PSOL iniciou discussões e estudos para modular o discurso do deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) para a disputa, no ano que vem, à prefeitura de São Paulo.

    A ideia, segundo relatos feitos à CNN, é tentar diminuir a resistência do pré-candidato de esquerda junto à classe média alta, adotando um discurso que também atenda à demanda dessa parcela do eleitorado.

    Segundo análise feita pelo partido, hoje, o eleitorado de classe média alta da capital paulista tem como principais demandas a melhora na segurança, no transporte e na zeladoria da cidade.

    A ideia é que, já na pré-campanha municipal, Boulos não faça um discurso apenas focado na periferia, mas que também contemple demandas dos bairros mais ricos, criando um discurso de que é o candidato de todas as classes.

    Hoje, pesquisas internas feitas pelos partidos de direita e de esquerda apontam Boulos como favorito. Na capital paulista, diferentemente do estado de São Paulo, o vencedor na campanha presidencial de 2022 foi Luiz Inácio Lula da Silva, do PT.

    O PSOL também discute como Boulos deve tratar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na disputa municipal. O partido tem avaliado que, apesar de ser um dos maiores críticos do ex-mandatário do Palácio do Planalto, seria melhor a Boulos terceirizar os ataques.

    Isso porque, segundo dirigentes da legenda, um discurso mais combativo pode afastar eleitores de classe média que votaram em Bolsonaro, mas criticam a gestão passada.

    Em busca do apoio do PL, o atual prefeito Ricardo Nunes (MDB), candidato à reeleição, tem se associado a Bolsonaro e ao governador Tarcísio de Freitas, do Republicanos.

    VÍDEO – Para 74% do mercado, Bolsonaro deveria apoiar Tarcísio em 2026