Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PP deve indicar diretora do Sebrae para presidência da Caixa, dizem fontes

    Comando de banco entrou em negociação para acomodar Centrão no governo

    Margarete Coelho (PP-PI) cotada pelo seu partido para assumir presidência da Caixa
    Margarete Coelho (PP-PI) cotada pelo seu partido para assumir presidência da Caixa Câmara dos Deputados

    Tainá Falcãoda CNN

    Brasília

    Margarete Coelho, ex-vice-governadora do Piauí, é o nome preferido do PP para assumir a presidência da Caixa Econômica Federal.

    Ela deve ser indicada pelo partido para ocupar o lugar de Rita Serrano no comando da instituição, segundo apurou a CNN.

    Ex-deputada federal, Coelho exerce atualmente a diretoria de Administração e Finanças do Sebrae.

    Nos últimos dias, durante a negociação com partidos, o Palácio do Planalto sinalizou ao centrão a necessidade de manter uma mulher à frente da CEF.

    Outra alternativa seria manter um nome do governo na presidência e entregar ao Centrão os cargos de vice-presidente e chefias de superintendências.

    Nesse caso, uma ideia aventada no governo foi deslocar Miriam Belchior da secretaria-executiva da Casa Civil para a chefia da Caixa.

    Miriam é de confiança absoluta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e atualmente se dedica à elaboração do “novo PAC” — o plano de investimentos em infraestrutura a ser lançado nas próximas semanas.

    Anteriormente, o nome favorito para indicação pelo PP seria o de Gilberto Occhi, ex-presidente do banco e ex-ministro das Cidades. Nelson Antônio Souza, ex-presidente da CEF no governo Michel Temer (MDB), também era citado em conversas de bastidores.

    O receio de impacto negativo com trocas de comando de mulheres por homens fez o Planalto recalcular a rota.

    Aliados do Centrão não veem problema com a nova exigência do governo, desde que a presidência — e não apenas postos subordinados — estejam à disposição.

    Coelho é próxima tanto do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), quanto do presidente da legenda, senador Ciro Nogueira (PI), que tem se declarado abertamente de oposição ao governo Lula.