Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pré-candidatos reagem a acusações de assédio contra presidente da Caixa

    Lula pediu cautela; Ciro e Tebet defenderam a demissão imediata de Pedro Guimarães

    Presidente-executivo da Caica Econômica Federal, Pedro Guimarães
    Presidente-executivo da Caica Econômica Federal, Pedro Guimarães 27/03/2020REUTERS/Ueslei Marcelino

    Da CNN

    Ouvir notícia

    Pré-candidatos à Presidência reagiram às acusações de assédio sexual feitas por funcionárias da Caixa Econômica Federal contra Pedro Guimarães. Ele deixou o cargo de presidente do banco estatal e foi substituído por Daniella Marques, que era secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia.

    Segundo denúncias reveladas pelo portal Metrópoles na terça-feira (28), Guimarães fazia toques íntimos não autorizados e convites não compatíveis com o trabalho a funcionárias. Os casos teriam sido abafados pela Caixa.

    Na terça-feira, Simone Tebet, pré-candidata do MDB, disse no Twitter que Guimarães acaba com a credibilidade da Caixa.

    “É necessário o afastamento imediato do presidente da Caixa até que as investigações sejam finalizadas. Um banco vive de credibilidade e um banco público não pode admitir um assediador em potencial no principal cargo da instituição. Assédio sexual é crime e precisa ser combatido com o rigor da lei.”

    Em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (29), Ciro Gomes, pré-candidato do PDT, afirmou que o presidente do banco é “um bandido”. Segundo o pedetista, ele deveria ser preso.

    “Uma autoridade pública que usa de seu poder para constranger sexualmente mulheres é um bandido, tinha que ser demitido e responder na cadeia.”

    Lula (PT), por outro lado, defendeu cautela, dizendo que não é “policial”.

    “Vocês nem perguntaram do presidente da Caixa Econômica, que está sendo acusado por assédio, mas também eu não sou procurador e não sou policial”, disse o petista, em entrevista à Rádio Educadora.

    Em nota, o pré-candidato Leonardo Pericles (UP) comentou o caso. “Não é surpresa esse caso vir de Pedro Guimarães, protegido de Bolsonaro, com quem desfruta de relação íntima e subalterna. Ele chegou até a ser cotado para vice de Bolsonaro nessas eleições e seu nome estava em debate para assumir um ministério. Não é à toa que ele assim se julgava impune para fazer o que bem entendesse. O governo Bolsonaro é um governo que odeia as mulheres. A realidade de violência e opressão contra as mulheres só cresceu nos últimos anos. O assédio sofrido e denunciado pelas funcionárias da Caixa Federal é uma realidade vivida por milhares de brasileiras, que diariamente, são obrigadas a se submeter em situações como essas para não perder o emprego.”

    A pré-candidata do PSTU à Presidência, Vera Lúcia, disse no Twitter que Pedro Guimarães é a representação do governo de Jair Bolsonaro.

    “Esse crápula é expressão do que é este governo Bolsonaro: Um bando de machista nojento que faz tudo para garantir o interesse dos ricos. Todo apoio às trabalhadoras da CAIXA e força na luta contra os assédios que também se combinam com uma exploração cada vez maior!”

    A CNN entrou em contato com os demais pré-candidatos para saber se pronunciariam sobre o assunto e aguarda retorno.

    Debate

    CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

    Fotos – Os pré-candidatos à Presidência

    *Publicado por Renan Porto

    Mais Recentes da CNN