Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prévias do PSDB: pré-candidatos já votaram; prazo de votação é estendido

    Eduardo Leite, João Doria e Arthur Virgílio disputam os votos do partido para definir quem será o representante da sigla na eleição presidencial de 2022

    João de Marida CNN*

    Em São Paulo

    Ouvir notícia

    Os pré-candidatos do PSDB à Presidência da República já votaram na manhã deste domingo (21) nas prévias que vão definir o representante do partido na eleição presidencial de 2022. O PSDB é o único partido que anunciou a realização de prévias.

    Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, João Doria, governador de São Paulo, e o ex-senador pelo Amazonas Arthur Virgílio disputam os votos de 44.697 afiliados e mandatários inscritos. Os três votaram presencialmente, em Brasília.

    A votação, que acontece das 8h às 18h, está sendo realizada por aplicativo e presencial, em Brasília, através de urnas eletrônicas. Filiados sem mandato e vereadores votam online. Já governadores, prefeitos, congressistas e dirigentes do partido votam presencialmente.

    Inicialmente, a votação terminaria às 15h para ambas modalidades. Mais cedo, porém, o PSDB anunciou que ampliou o prazo de votação pelo aplicativo até às 18h. Segundo o partido, que realiza prévias pela primeira vez na história, não há um prazo definido para a finalização da apuração do resultado.

    Se nenhum dos candidatos obtiver a maioria absoluta dos votos, o partido submete os dois candidatos com maior votação a um segundo turno, que está marcado para o dia 28 de novembro.

    “Racha” no PSDB

    Ao chegar nas prévias, o governador de São Paulo, João Doria, declarou a jornalistas que o “PSDB está unido, continuará unido e fortalecido”.

    “Estamos fazendo democracia. O PSDB está dando lição de democracia, respeitando o voto, a liberdade, o direito de todos seus filiados votarem e escolherem seu candidato à Presidência da República”, disse.

    Já o ex-senador pelo Amazonas Arthur Virgílio disse que “dividir algo pequeno não é inteligente”. À CNN, ele afirmou que é um “anti-candidato” e que a intenção era “fiscalizar” o partido.

    “Entendo que o partido para conseguir algo nessa eleição tem que unir suas forças, tem que haver humildade de todos. Agora posso falar que eu não era um candidato a presidente da República. Eu era um anticandidato. Meu sentimento é de unir o partido, funcionar como fiscal”.

    Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, disse que a é normal ocorrer divisão no momento da eleição, mas que, após as prévias, “vamos unir partido e depois unir o Brasil”.

    “A política naturalmente no momento da eleição divide, porque a gente acentua na diferença. Mas passado o processo e tendo o resultado, tenho certeza que o partido estará unido para tirar o país da polarização”, concluiu Leite.

    Conheça as regras da votação, definidas pela Comissão das Prévias do partido no dia 15 de junho deste ano.

    • Como é definido o vencedor
    • Quem pode votar
    • Como estão definidos os grupos de votação
    • Como estão definidos os grupos de votação
    • Como é calculado o peso de cada voto
    • Como os filiados e mandatários podem votar
    • Segundo turno

    Como é definido o vencedor

    Sai vencedor das prévias o candidato que alcançar maioria absoluta dos votos válidos. Porém, a apuração não funciona no esquema “uma pessoa, um voto”, como nas eleições gerais organizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Nas prévias do PSDB deste ano, ganha quem tiver a maior votação depois de calculados os votos em cada um dos quatro grupos votantes definidos pela Comissão das Prévias.

    Não há um prazo definido para a finalização da apuração do resultado.

    Quem pode votar

    Todos aqueles que tenham se filiado ao PSDB até 31 de maio de 2021.

    Como estão definidos os grupos de votação

    Os votos são proporcionais, ou seja, têm valores diferentes a depender do grupo de cada eleitor. O PSDB divide os votantes em quatro grupos:

    • Filiados sem mandato (grupo 1)
    • Prefeitos e vice-prefeitos (grupo 2)
    • Vereadores e deputados estaduais ou distritais (grupo 3)
    • Deputados federais, senadores, governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Nacional Executiva (grupo 4)

    O grupo 1, de filiados, tem 39.737 membros e é o maior grupo, portanto, o que tem o peso do voto mais diluído.

    Em seguida, no grupo 2, estão 491 prefeitos e 396 vice-prefeitos. O terceiro grupo é formado por 3.949 vereadores e 72 deputados estaduais.

    O menor dos grupos, mas com maior peso proporcional na votação, é o grupo 4, onde estão apenas 52 membros do partido, como os governadores Doria e Leite e o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso.

    Como é calculado o peso de cada voto

    Cada um dos quatro grupos votantes tem peso de 25% do total de votos.

    Nos grupos 1, 2 e 4, os votos de cada candidato são divididos pelo número total de eleitores do grupo. Por isso, votos do grupo 4, onde estão Doria, Leite e Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, valem mais por ser um grupo com menos participantes.

    Depois de feita essa divisão, o resultado é multiplicado por 0,25.

    O grupo 3 funciona de maneira diferente. Neste grupo, deputados representam 50% do peso total e vereadores, os outros 50%.

    Além disso, os votos de cada candidato são divididos pelo número total de eleitores de cada subgrupo. Depois, o resultado é multiplicado por 0,125 e, ao final, é feita a soma do resultado de cada subgrupo.

    Como os filiados e mandatários podem votar

    Os quase 40 mil filiados sem mandato e os quase 4 mil vereadores podem votar por meio de um aplicativo próprio da sigla.

    Prefeitos, vice-prefeitos e deputados estaduais ou distritais, além de governadores, senadores, o presidente do partido e o ex-presidente da República podem votar tanto pelo aplicativo quanto por uma urna eletrônica que estará instalada em Brasília, em um centro de convenções alugado pela legenda.

    Segundo turno

    Se nenhum dos candidatos obtiver a maioria absoluta dos votos, o partido submete os dois candidatos com maior votação a um segundo turno, que está marcado para o dia 28 de novembro.

    A regra da proporcionalidade também é usada no segundo turno.

    (*Com informações de Raphael Coraccini, da CNN, em São Paulo)

    Mais Recentes da CNN