Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PSD entra em ano eleitoral com líderes em pesquisas nas capitais, mostra agregador

    Sigla cinco nomes à frente nos levantamentos monitorados pela ferramento do Ipespe Analítica

    Iuri Pittada CNN

    São Paulo

    Dados do agregador Ipespe Analítica apontam o PSD como partido com maior número de pré-candidatos na liderança de pesquisas para as prefeituras das capitais brasileiras. O levantamento coloca a sigla com cinco nomes à frente nos levantamentos monitorados pela ferramenta, seguido por União Brasil, com quatro localidades, e PL, MDB e Republicanos, com três municípios cada.

    Além de contar com o maior número de líderes nas pesquisas realizadas ao longo de 2023, agregadas pela ferramenta do Ipespe Analítica, o PSD também apresenta mais capilaridade nesse quesito, ao ter nomes em quatro das cinco regiões do país: duas no Nordeste (Natal e São Luís), uma no Centro-Oeste (Goiânia), uma no Sudeste (Rio de Janeiro) e uma no Sul (Florianópolis).

    Com quatro líderes de pesquisas, o União Brasil concentra sua força no Nordeste, região em que tem 3 nomes à frente dos demais pré-candidatos: Salvador, Fortaleza e Teresina. Completa a lista do partido Cuiabá.

    Um trio de siglas lidera em três cidades cada: PL, MDB e Republicanos. O partido do ex-presidente Jair Bolsonaro tem na região Norte dois nomes à frente nas pesquisas agregadas, em Belém e Palmas, e o atual prefeito de Maceió, JHC, no Nordeste.

    No caso do MDB, os líderes filiados à sigla estão em três regiões diferentes. O partido, que elegeu o maior número de prefeituras em 2020, está à frente em Rio Branco (Norte), Campo Grande (Centro-Oeste) e Porto Alegre (Sul). Já o Republicanos desponta em Belo Horizonte e Vitória, no Sudeste, e Porto Velho, no Norte.

    Chama a atenção, como destaca o cientista político Antonio Lavareda, do Ipespe, a ausência tanto de PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quanto de PSDB, que em 2020 havia conquistado prefeituras importantes, como São Paulo, e que hoje não tem nenhum nome de destaque nos dados do agregador.

    Lavareda aponta que, pelos dados da ferramenta, o favoritismo dos atuais gestores nas capitais segue forte, com possibilidade de reeleição de mais da metade dos prefeitos que podem disputar um novo mandato.

    “Se a eleição fosse hoje, a taxa de reeleição de prefeitos de capitais seria de 58%, ou seja, são 19 candidatos à reeleição, incumbentes, dos quais 11 estão liderando as pesquisas”, explica. “Mas é um índice inferior aos 77% registrados nessas capitais em 2020.”

    Como funciona o agregador

    O agregador de pesquisas desenvolvido pelo Ipespe Analítica é um algoritmo que projeta a intenção de voto para prefeito a partir de levantamentos feitos por diversos institutos. Não é apenas somar os números e obter uma média. A metodologia usa estatística bayesiana e técnicas de aprendizado de máquina (machine learning). Leva em conta, por exemplo, o período em que as entrevistas foram feitas – quanto mais recentes, maior o peso no cálculo –, assim como o histórico dos institutos.

    Trata-se de uma fotografia mais precisa do cenário eleitoral, quando comparado às pesquisas de forma individual. Isso porque, como ainda se trata de pré-candidaturas, pode haver diferença na lista de nomes apresentados aos entrevistados. Além disso, o agregador atualiza os dados tão logo seja divulgada uma nova pesquisa e permite a comparação ao longo do tempo na série histórica.