Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Quero desafiar todo mundo que fala que meu avô é ladrão”, diz neto de Lula

    Thiago Trindade disse, em vídeo publicado nas redes sociais, que críticos devem "procurar e denunciar provas" de que avô "roubou algum centavo"

    Neto de Lula publicou vídeo em 1º de abril, Dia da Mentira, sobre quem diz que seu avô seria ladrão
    Neto de Lula publicou vídeo em 1º de abril, Dia da Mentira, sobre quem diz que seu avô seria ladrão Reprodução/Redes sociais

    Manoela Carluccida CNN*

    São Paulo

    Neto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Thiago Trindade foi às redes sociais dizer que não há “uma única prova” de que seu avô “tenha roubado um único centavo”.

    O comentário foi feito em 1º de abril, data conhecida como “Dia da Mentira”. Também na segunda-feira (1º) começou o julgamento que pode cassar o mandato de senador do ex-juiz Sergio Moro (União-PR), que foi responsável por condenações de Lula em processos da Operação Lava Jato.

    “Fica o meu desafio a essas pessoas que acham que podem ficar fazendo o Brasil de refém com ameaças”, disse o neto. “Neste Dia da Mentira, eu acho que a gente tinha que tentar desafiar e desmistificar essa que é uma das maiores mentiras do Brasil”.

    Faz pelo menos quarenta anos que falam que meu avô é o maior ladrão da história do Brasil, mas ninguém nunca apresentou uma única prova de que ele tenha roubado um único centavo

    Thiago Trindade

    Para Trindade, “quem apresentar provas reais contra ele (Lula) vai virar herói nacional da direita do dia para a noite e vai ganhar muito dinheiro”.

    No vídeo, o neto sugere, a quem queira apresentar provas contra Lula, ligar para os “trouxas do Moro e do Dallagnol”, em referência ao ex-procurador e deputado federal cassado Deltan Dallagnol, que comandou a força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF) do Paraná.

    A CNN entrou em contato com as assessorias do senador Sergio Moro (União-PR) e do ex-deputado Deltan Dallagnol (Novo) e aguarda retorno.

    Condenações foram anuladas

    Em 2017, Lula foi condenado por Moro no caso do tríplex no Guarujá, que teria sido destinado ao político pela construtora OAS em troca de privilégios em contratos com a Petrobras. O atual presidente foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A defesa de Lula sempre negou a acusação.

    Em 2019, o presidente Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo pagamento de propina da OAS e da Odebrecht por meio de reformas em um sítio em Atibaia (SP) — o local costumava ser frequentado por Lula e sua família. A decisão foi da juíza Gabriela Hard, que substituiu Moro no julgamento de ações da Lava Jato na ocasião. O ex-juiz havia ingressado no governo de Jair Bolsonaro (PL) como ministro da Justiça.

    As condenações foram anuladas em 2021 pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após definir a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar os casos em que Lula foi condenado. A Suprema Corte também declarou a suspeição de Moro no julgamento dos dois processos.

    Confira o vídeo do neto de Lula:

    *Sob supervisão de Nathan Lopes