Recondução de Aras à PGR foi uma rara convergência entre os Três Poderes

Apesar do raro encontro de águas entre os Poderes, é muito cedo para saber se o ato é suficiente para que se atinja a tão esperada estabilidade política

Da CNN

São Paulo

Ouvir notícia

O plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (24), com folga, a recondução de Augusto Aras ao cargo de procurador-geral da República, com 55 votos a favor e apenas 10 contra. Para o analista de política da CNN Caio Junqueira, esta foi uma rara convergência entre os Poderes da República, num momento de agravamento da crise entre Judiciário e Executivo.

Para Caio Junqueira, apesar do raro encontro de águas entre os Poderes com a escolha de Aras como o procurador-geral da República, é muito cedo para saber se o ato é suficiente para que se atinja a tão esperada estabilidade política, tema de encontros entre líderes políticos nacionais.

Na avaliação de Junqueira, Jair Bolsonaro (sem partido) adotou o confronto como estratégia central para sua reeleição, e optou por brigar com o Judiciário, mas não com o Congresso Nacional. Apesar de não confrontar diretamente o Legislativo, a instabilidade gerada pelos atos do Executivo passou a adentrar a Câmara, principalmente com as dificuldades enfrentadas com a agenda econômica, de acordo com o analista de política da CNN.

Movimentação política

Um dos maiores representantes do centrão e fiadores da estabilidade política do governo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tem se incomodado, de acordo com Caio Junqueira, não com a indefinição em torno de reformas propostas, mas com o fato de o presidente não ter recuado após ver derrotada a proposta do voto impresso, como teria prometido.

Para Caio Junqueira, apesar de formarem atualmente uma coalizão com Bolsonaro, Lira, Ciro Nogueira e outros representantes do centrão pretendem apenas usar as benesses de fazer parte do governo, o que não significa que têm um acordo pela reeleição do presidente, por exemplo.

Assista à análise completa no vídeo.

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN