RJ: Com ocupação no Jacarezinho e Muzema, Castro lançará plano mirando reeleição

Até o fim da manhã desta quarta-feira (19), 32 pessoas tinham sido presas em ação da polícia nas duas comunidades

Pedro Duranda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Batizado de “Cidade Integrada”, o plano do governador do Rio, Cláudio Castro, para a segurança pública está preparado para ser lançado neste sábado (22). A primeira incursão, no entanto, veio antes: uma ação coordenada com 1.300 policiais que resultou em 32 presos até o final da manhã desta quarta-feira (19). O objetivo do projeto, segundo o governo do estado, é ocupar o território e levar serviços sociais a essas comunidades.

Os locais escolhidos foram os complexos do Jacarezinho e de Muzema. O primeiro, na zona Norte da cidade, ficou conhecido nacionalmente depois da operação mais letal da história das forças de segurança do Rio de Janeiro, com 28 mortos no ano passado. O segundo, foi o cenário de uma tragédia dois anos antes, com 24 mortos depois do desabamento de prédios irregulares.

A escolha não foi aleatória. Jacarezinho é uma comunidade dominada pelo tráfico de drogas. Muzema é território da milícia.

A decisão de ocupar esses lugares segue uma tendência observada pela equipe de Castro em pesquisas: a de que a prioridade da população do Rio de Janeiro é a segurança pública. Essa será a bandeira do ex-vereador da capital, que assumiu o governo depois do impeachment de Wilson Witzel, à reeleição.

O lançamento do projeto de segurança pública vem 14 anos depois da criação das UPPs, Unidades de Polícia Pacificadora. A ideia do ex-governador agora preso, Sérgio Cabral, era levar a polícia para perto das comunidades.

Na leitura da cúpula de segurança de Castro, faltou o aparato governamental ir junto. Interlocutores do governador disseram à CNN que o novo programa, Cidade Integrada, apostará também em ações sociais quase que simultâneas às ocupações.

O projeto visa oferecer alternativas ao envolvimento com o tráfico e suprir com os braços do governo os “serviços” oferecidos pela milícia.

Em nota, o governo do Rio de Janeiro disse que “policiais civis ingressaram na comunidade do Jacarezinho para cumprir 42 mandados de prisão em desfavor de criminosos da facção atuante no tráfico local, 13 de busca e apreensão de adolescentes e um de busca e apreensão de um maior de idade”.

E que “na área da Muzema, que sofre influência de milícias, a operação está mais focada no combate ao comércio ilegal de gás de cozinha, crimes ambientais e construções irregulares”.

Mais Recentes da CNN