Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Senacon volta a notificar a Enel pela falta de energia em SP

    Até o momento, cerca de mil clientes continuam sem energia desde sexta-feira (3)

    Palácio da Justiça, sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em Brasília
    Palácio da Justiça, sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em Brasília Fotos: Jamile Ferraris /MJSP

    Lucas OliverJussara Soaresda CNN

    Brasília

    A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, notificou a Enel para prestar esclarecimentos sobre a ausência da prestação do serviço à população afetada pela falta de energia em São Paulo.

    A Enel SP afirmou em nota que restabeleceu o fornecimento de energia para 99,5% do total de consumidores afetados pela forte tempestade da última sexta-feira (3). De acordo com a distribuidora, 1,3 mil clientes seguem sem energia.

    “Cerca de 3 mil técnicos seguem trabalhando nas ruas para atender os clientes remanescentes, o que representa 0,5% do total de clientes afetados.”

    A Enel, que é a empresa responsável pelo fornecimento de energia na região, respondeu à Senacon afirmando que “a previsão meteorológica subestimou a gravidade dos ventos, o que dificultou a resposta imediata diante do evento”.

    Segundo a companhia, a empresa possui procedimentos operacionais específicos para lidar com eventos de grande impacto, como a ocorrido no último final de semana, que são baseados em um algoritmo de matriz de impacto.

    Diante da resposta da Enel, a Senacon afirmou que expediu uma nova notificação em aditamento à anterior, solicitando à empresa que comprove aquilo que declara.

    Segundo a Secretaria, a resposta da Enel “se trata de meras alegações, sem qualquer demonstração da sua veracidade”.

    Nesta quarta, o presidente da Enel, Max Xavier Lins, afirmou que há prioridades de restabelecimento em lugares como hospitais, estações de elevação de água, instalações do governo e escolas, e locais onde há mais ocorrências.

    “Chega no final são aqueles clientes que estão em circuitos de baixa tensão. Por isso que essa reta final é um pouco mais demorada. Porque uma coisa é você refazer um circuito de média tensão, onde tem ali pendurado 15 mil clientes. Outra coisa é quando você tem um circuito de baixa tensão, onde você tem que ir pinçando cada cliente”, explicou.

    VÍDEO –  Cardozo e Coppolla debatem se apagão em SP se tornou palco para disputa política