STF dá 12 horas para CPI se explicar sobre suposto vazamento de dados de Barros

Informações teriam sido obtidas na quebra de sigilo do deputado federal

Rachel Vargasda CNN

Brasília

Ouvir notícia

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia deu 12 horas para a CPI da Pandemia se explicar sobre um suposto vazamento de dados referente ao líder do governo na Câmara, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR). A integrante da corte pediu os esclarecimentos por considerar a situação grave.

Barros afirma que foi procurado por um jornalista que teria tido acesso a informações obtidas por meio do relatório de inteligência financeira do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O deputado pede ao STF que todos os dados sigilosos obtidos pela CPI sejam restringidos ao parlamentar que a solicitou. Assim, caso haja um vazamento, teria como se responsabilizar o senador em questão.

A ministra já havia determinado em decisão anterior a restrição dessas informações somente aos senadores da comissão, a Barros e seus advogados, sob pena de responsabilização para quem descumprir essa confidencialidade.

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), declarou que já foi notificado sobre a determinação do STF e que responderá assim que possível, mas nega o vazamento.

Mais Recentes da CNN