STF dá 5 dias para Bolsonaro explicar divulgação de dados sobre pandemia

Presidente precisa se manifestar se tem feito medidas de adoção de para maior divulgação dos dados sobre coronavírus no país

O presidente Jair Bolsonaro tosse enquanto chega para discursar em Brasília para manifestantes que protestavam a favor da intervenção militar e pelo fechamento do Congresso Nacional (19.abr.2020)
O presidente Jair Bolsonaro tosse enquanto chega para discursar em Brasília para manifestantes que protestavam a favor da intervenção militar e pelo fechamento do Congresso Nacional (19.abr.2020) Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Gabriela Coelho

Da CNN, em Brasília

Ouvir notícia

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu um prazo de cinco dias para que o presidente Jair Bolsonaro se manifeste se tem feito medidas de adoção de para maior divulgação dos dados sobre coronavírus no país e para reconhecer supostos atos omissivos durante a pandemia.

A ação foi apresentada pelo PT no sábado. Nela, a legenda afirma que o próprio Bolsonaro “é um reconhecido entusiasta das medidas de flexibilização” do isolamento social. 

A legenda pede ainda que sejam informadas as medidas adotadas até o momento para disponibilizar testes para a COVID-19 para estados e municípios e para indicar o número total de testes disponibilizados até o momento, além da projeção de testes a serem distribuídos.

“A quantidade de testes para a COVID-19 realizados até o momento em todo o território nacional, o perfil das pessoas submetidas aos testes, a contemplar, pelo menos, profissão, idade, raça, cor, sexo, renda, e localização geográfica e demonstrando os critérios adotados para aplicação dos testes por perfil”, afirmou o partido. 

A legenda pede também que sejam adotadas providências para que seja imediatamente elevada a testagem no país, abandonando-se a prática de promoção de exames apenas nos pacientes graves, mas partindo para uma testagem em massa, com critérios claros, objetivos e públicos.

Leia também:

PGR aponta dois deputados como suspeitos de organizar atos antidemocráticos

Mais Recentes da CNN