STF deve usar análise sobre depoimento de Bolsonaro para balizar investigações

apuração sobre a conduta de Bolsonaro foi aberta em maio, com base em acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro

Thais Arbex e Gabriela Coelho

Da CNN, em Brasília

Ouvir notícia

Uma ala do Supremo Tribunal Federal (STF) defende que a corte use o julgamento sobre o depoimento do presidente Jair Bolsonaro no inquérito sobre suposta interferência na Polícia Federal para estabelecer balizas a investigações que envolvam autoridades. 

A apuração sobre a conduta de Bolsonaro foi aberta em maio, com base em acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro. 

Segundo a CNN apurou, integrantes do tribunal acreditam que a discussão no plenário é uma oportunidade para se fixar uma regra única para casos análogos. O debate também envolve os próprios ministros do Supremo e dos demais tribunais superiores, além dos chefes do Legislativo, e tem como pano de fundo as críticas aos chamados excessos de operações como a Lava Jato. 

A avaliação é a de a decisão do decano Celso de Mello de obrigar Bolsonaro a prestar depoimento presencialmente pode abrir um precedente para casos que atinjam essas autoridades. Ou seja, o sentimento é o de que se criaria um ambiente para o efeito Orloff, aquele do “eu sou você amanhã”.

Leia e assista também

Marco Aurélio suspende inquérito sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF

‘Celso de Mello acertou’, diz advogado sobre depoimento presencial de Bolsonaro

‘Não se pede nenhum privilégio’, diz Bolsonaro sobre depoimento por escrito à PF

De acordo com relatos feitos à CNN, o presidente da corte, ministro Luiz Fux, só deve avaliar a pertinência de levar o caso ao plenário depois que a Procuradoria-Geral da República se manifestar. A tendência é a de que ele também consulte o próprio decano. Pessoas próximas ao magistrado dizem que, por seu perfil, ele deve esperar Celso de Mello retornar da licença médica –o que só acontecerá em outubro. 

Hoje, o Código de Processo Penal prevê a autoridades a possibilidade de prestar testemunho por escrito apenas quando não estão na condição de investigado. De acordo com o texto, o presidente e o vice-presidente da República, os presidentes do Senado, da Câmara e do Supremo “poderão optar pela prestação de depoimento por escrito, caso em que as perguntas, formuladas pelas partes e deferidas pelo juiz, Ihes serão transmitidas por ofício”.

Embora o dispositivo só trate de oitiva de autoridades enquanto testemunhas, e não faça menção a situações em que estão na condição de investigados, em 2017, o ministro Luís Roberto Barroso autorizou o então presidente Michel Temer a prestar esclarecimentos por escrito no inquérito que apurava irregularidades nos portos.

 

Mais Recentes da CNN