Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Supremo vai discutir regra que beneficia réus em caso de empates

    Proposta foi feita pelo ministro Edson Fachin

    Gabriela Coelho Da CNN, em

    A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu enviar ao plenário do da corte uma proposta do ministro Fachin para limitar as hipóteses em que julgamentos empatados favorecem o réu. Isso porque a licença médica do ministro Celso de Mello tem gerado uma sequência de 2×2 benéfica a investigados da Lava-Jato no colegiado, formado por cinco ministros.

    A proposta foi feita durante sessão da 2ª Turma desta terça-feira (1º), em seguida a dois julgamentos que, por terminarem empatados, beneficiaram os investigados. Os ministros da turma decidiram que o tema será levado ao plenário do STF.

    Leia e assista também

    Por ver parcialidade, STF anula condenação de doleiro por Moro no caso Banestado

    STF decide que delatados podem questionar acordos de delação premiada

    STF exclui delação de Palocci de ação contra Lula na Lava Jato

    Fachin tentou suspender o julgamento de um caso, sob o argumento de que empate em reclamação não beneficia o réu. Mas Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski decidiram continuar o julgamento. E disseram que eventual revisão da decisão poderia se dar no plenário. 

    De acordo com o regimento interno do Supremo, se houver empate na análise de habeas corpus ou recursos em ações criminais, vence a decisão mais favorável ao réu. A regra se baseia no princípio jurídico  “in dubio pro reo” (na dúvida, a favor do réu), que prevê que, se houver uma dúvida de julgamento, o acusado não pode ser prejudicado. 

    Fachin propõe que esse entendimento se restrinja aos habeas corpus, e que nos demais casos, o julgamento seja adiado até a recomposição do quórum total das turmas – que são sempre compostas por cinco ministros. 

    Nesta terça, os ministros discutiam dois casos em que o réu foi beneficiado com o empate. No primeiro deles, o colegiado decidiu suspender a ação penal que o ex-senador e atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho responde na Justiça Federal de Curitiba até a conclusão do julgamento. Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski decidiram pelo trancamento da ação. Edson Fachin e Cármen Lúcia pelo prosseguimento. 

    Em outra ação, a turma decidiu devolver para a Justiça Eleitoral do Distrito Federal uma investigação contra o deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP) sobre corrupção, peculato e lavagem de dinheiro. No julgamento, o ministro Gilmar Mendes levou em conta argumentos da defesa de que não houve um “exame euxariente” sobre a ocorrência do crime de caixa 2 e votou pela devolução dos autos à Justiça Eleitoral. Ele foi acompanhado pelo ministro Ricardo Lewandowski. Já Cármen Lúcia e Edson Fachin votaram em sentido contrário.