Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Teich e general cotado para cargo na Saúde se reúnem nesta terça

    Eduardo Pazuello pode substituir João Gabbardo no cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde

    Basília Rodriguesda CNN

    Ouvir notícia
     

    Com as bênçãos do Palácio do Planalto, o general Eduardo Pazuello, cotado para número 2 do Ministério da Saúde, vai ao encontro do ministro da Saúde, Nelson Teich, nesta tarde.

    O ministro, que até agora não concedeu entrevistas abertas sobre o coronavírus, se manterá recolhido dos holofotes até ter um plano de ação para apresentar. 

    Leia também:

    Teich anuncia ampliação de testagem e fala em ‘saída progressiva’ de isolamento

    Brasil registra 113 mortes por COVID-19 e 1.927 casos em 24 horas

    Se confirmado na Secretaria executiva do ministério, Pazuello ficará responsável pela logística desse plano.

    “Vão utilizar dados mais concretos e reais para basear o esforço e as prioridades. Ainda tem muito recurso e equipamentos que não foram enviados aos estados por falta de gestão”, afirmou à coluna uma fonte do Planalto.

    Teich substituiu Henrique Mandetta. Pazuello pode ocupar o cargo que hoje é de João Gabbardo, que ficou conhecido do grande público pela divulgação de dados do coronavírus em entrevistas no Planalto.

    O plano de ação contempla o aumento da testagem da população, defendido por Teich, e o preparo da infraestrutura nos estados para o tratamento da doença (distribuição de respiradores, insumos em geral e inauguração de hospitais de campanha). Com isso, o governo quer  anunciar uma volta à normalidade, em outras palavras, o fim gradual do isolamento social.

    O Planalto entende que os dados do coronavírus nos estados são conflitantes e designou a secretaria de governo a fazer um diagnóstico da situação quanto aos casos por município, o que irá embasar o novo ministro e sua equipe.

    “Porque fazer um isolamento total sem levar em condições os dados de contágio. Temos milhares de municípios que não têm casos da doença. O planejamento para eles poderiam ser melhor estruturado, com rodízios, de forma seletiva”, afirmou a fonte à CNN.

    Atualmente, há 8 ministros com origem nas Forças Armadas no governo. Mas também a ala militar se encontra na equipe estratégica, de segundo escalão, de algumas pastas.

    Mais Recentes da CNN