Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Tentativa de monitoramento político”, diz defesa de Bolsonaro sobre PGR pedir dados de redes sociais

    O pedido da PGR cita Instagram, LinkedIn, TikTok, Facebook, Twitter e YouTube

    Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na saída do Senado federal após visitar seu filho e senador, Flávio Bolsonaro, em 18 de maio de 2023.
    Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na saída do Senado federal após visitar seu filho e senador, Flávio Bolsonaro, em 18 de maio de 2023. Lula Marques/ Agência Brasil

    Da CNN

    A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) emitiu um posicionamento, no final da manhã desta terça-feira (18), chamando de “tentativa de monitoramento político” o pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que sejam solicitados às plataformas de redes sociais dados das contas de Bolsonaro.

    O pedido da PGR cita Instagram, LinkedIn, TikTok, Facebook, Twitter e YouTube e requer, por exemplo, que as empresas enviem a “integralidade das postagens” de Bolsonaro sobre “eleições, urnas eletrônicas, Tribunal Superior Eleitoral, Supremo Tribunal Federal, Forças Armadas e fotos e/ou vídeos com essas temáticas”.

    Sobre as publicações, a PGR quer que as big techs informem quantidades de visualizações, curtidas, compartilhamentos, comentários e “demais métricas aferíveis”. Também foi solicitada uma lista completa com os nomes e dados de identificação de todos os seguidores do ex-presidente.

    Em uma nota assinada pelos advogados Fábio Wajngarten (que também foi ministro da Secom de Bolsonaro), Daniel Bettamio Tesser e Paulo Amador da Cunha Bueno, a defesa diz que “Bolsonaro reitera que este jamais incitou, induziu ou teve participação em quaisquer dos atos havidos na Praça dos Três Poderes, no dia 08/01, em relação aos quais fez e faz questão de posicionar-se de forma discordante”.

    “Causa, no entanto, espécie e grande preocupação com o exercício da liberdade de pensamento e opinião, que se pretenda requerer aos servidores provedores de redes sociais o envio da lista completa e respectivos dados de identificação de todos os seus seguidores em redes sociais”, continua.

    “Tal informação não guarda qualquer conexão lógica com o fato em apuração – sobre o qual o presidente já prestou declarações, esclarecendo todas as circunstâncias –, tratando-se de inaceitável e absurda tentativa de monitoramento político”, concluiu a defesa.

    A solicitação da PGR é assinada pelo subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos. Foi feita no inquérito que apura os suspeitos de incitarem os atos de 8 de janeiro, em Brasília. O relator da investigação é o ministro Alexandre de Moraes.

    O ex-presidente foi incluído no inquérito por ordem de Moraes e também a pedido da PGR. Bolsonaro passou a figurar na investigação por causa de uma publicação feita em seu perfil no Facebook em 10 de janeiro.

    Na ocasião, ele postou uma desinformação em que contestava o resultado eleitoral e dizia que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não teria sido eleito pelo povo. Apagou horas depois.

    O pedido para incluir Bolsonaro na investigação partiu de representação assinada por integrantes do Ministério Público Federal (MPF). O documento sugere que, ao fazer a publicação questionando a regularidade das eleições, Bolsonaro teria feito incitação pública à prática de crime.

    A PGR argumentou na ocasião que a conduta do ex-presidente deveria ser investigada, mesmo tendo sido feita depois do dia dos atos de 8 de janeiro.

    Pelo caso, Bolsonaro prestou depoimento à Polícia Federal (PF) em 26 de abril. Aos investigadores, ele disse que fez a postagem por erro, e que não tinha interesse em publicar o material.

    Segundo a PGR, os dados solicitados visam à “obtenção de dados concretos” para “fundamentar uma análise objetiva do alcance das mensagens, vídeos e outras manifestações publicadas pelo ex-presidente da República nas redes sociais”.

    “Não se pode perder de vista que o vídeo fora veiculado após os atos violentos executados no dia 08 de janeiro de 2023. Por corolário, não poderia incitar a prática dos crimes contra o Estado Democrático de Direito deflagrados anteriormente à publicação”, afirmou Carlos Frederico Santos.

    Publicado por Léo Lopes, da CNN