Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Texto pode vir melhor do Senado, diz Lira à CNN após aprovação da reforma tributária

    "Nós não temos esperança, o texto tende a ser modificado e, se e quando retornar à Câmara, nós analisaremos com todo respeito as mudanças", disse o presidente da casa

    Da CNN

    São Paulo

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou, na tarde desta sexta-feira (7), que acredita que o texto da reforma tributária, aprovado na Câmara dos Deputados em dois turnos, pode vir “melhorado” do Senado.

    A Câmara dos Deputados analisou os destaques remanescentes e concluiu a votação da reforma tributária nesta sexta. Com isso, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) vai à análise do Senado.

    Em entrevista à CNN, Lira disse que a Câmara é “a casa do povo”, com “513 parlamentares que representam as diversas camadas de ideologia e pensamento”.

    “O Senado é a casa revisora, a casa que representa a federação. Por certo, lá o peso dos estados será igual, e o texto pode, sim, vir melhorado ou modificado. É da natureza democrática, e a Câmara e o Senado, ao final, sem nenhuma Casa se sobrepor à outra, terão que ter um texto comum para que seja promulgado”, acrescentou o deputado.

    O texto do projeto foi aprovado no segundo turno durante a madrugada desta sexta-feira, com 375 votos favoráveis e 113 contrários. Pela manhã, na análise dos destaques remanescentes, um foi à frente (destaque 27) e retirou do texto benefícios previstos para indústrias das regiões Norte e Nordeste e fabricantes de veículos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste.

    Em seu balanço da tramitação, Lira disse que “nenhum texto é perfeito” e “não tem esperanças” que o texto passe ileso pelo Senado.

    “Nenhum texto é perfeito, ainda mais em uma casa com 513 membros, com tanta diversidade. O Senado terá sua oportunidade, a partir de agora, de se debruçar sobre essa matéria. Uma casa de cunho federativo, que representa os estados”, afirmou o presidente da Câmara.

    “Por certo, nós não temos esperança, o texto tende a ser modificado e, se e quando retornar à Câmara dos Deputados, nós analisaremos com todo respeito as mudanças que o Senado venha a fazer”, acrescentou.

    “Marco fiscal deve ficar para agosto”, diz Lira à CNN

    Na mesma entrevista à CNN, Lira afirmou que a votação do arcabouço fiscal na Casa deve ficar para agosto, após o recesso parlamentar.

    Ele disse que o projeto do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) deve começar a ser apreciado nesta sexta.

    “O projeto do arcabouço, infelizmente hoje o relator, deputado [Claudio] Cajado, não se encontra em Brasília e nem disponibilizou o texto. Lógico que o nosso foco a semana toda era a reforma tributária, e [o arcabouço fiscal] deve ficar para agosto”, afirmou.

    O marco fiscal deve ser a última das matérias que marcam a “maratona” da Câmara dos Deputados a ir ao plenário – após reforma tributária e o PL do Carf.

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse em entrevista a jornalistas que acredita que o projeto de lei (PL) do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) pode ser votado ainda nesta sexta-feira (7).

    “Vamos ver se votamos o Carf hoje, para liberar a pauta e partir para o marco fiscal“, disse. O PL do Carf tramita em regime de urgência e, por não ter sido votado dentro do prazo, trava a pauta da Casa.

    Haddad admitiu que o tempo é apertado para a votação do Carf e do marco fiscal nesta reta final de trabalhos legislativos que precedem o recesso parlamentar. Mas destacou que o arcabouço está “praticamente aprovado”.

    Publicado por Léo Lopes, com informações de Gustavo Uribe, Raquel Landim e Basília Rodrigues, da CNN