Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tribunal decide seguir com impeachment de Witzel, que deverá deixar palácio

    Governador também deixará de receber 1/3 do salário até o fim do processo

    Paula Martini e Jairo Nascimento, da CNN, no Rio de Janeiro 

    Ouvir notícia


     

    O Tribunal Especial Misto aprovou por unanimidade, 10 votos a 0, a continuidade ao processo de impeachment do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel (PSC-RJ) e também pela perda de 1/3 dos vencimentos até o fim do processo, com ressarcimento em caso de absolvição. Witzel recebe salário de R$19.681,33. A maioria do Tribunal Misto votou pela desocupação do Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador.

    O tribunal é formado por cinco desembargadores e cinco deputados estaduais. Para dar continuidade ao processo era necessária maioria simples, ou seis dos dez votos. A maioria foi formada por volta de 12h20, cerca de duas horas após o início da sessão. Ao todo, a sessão durou mais de 4 horas.

    O deputado Waldeck Carneiro (PT), relator do Tribunal Misto, foi o primeiro a votar. Ele votou pelo recebimento integral da denúncia e pela instauração do processo por crime de responsabilidade. O parlamentar também foi favorável ao afastamento de Wilson Witzel e ainda votou pela desocupação do Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador, no prazo de 10 dias a partir da publicação do acórdão. A desocupação foi o único termo divergente. Houve maioria de 6 votos a 4.O presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Cláudio de Mello Tavares, explicou que a defesa de Witzel pode recorrer sobre a desocupação.

    Por redes sociais, Witzel disse que “Trata-se de um processo político para me desgastar, especialmente pela esquerda e por bolsonaristas extremistas, mas tenho confiança de que deputados e desembargadores farão um julgamento justo para o bem da democracia”.

    Leia e assista também

    Presidente do TJ-RJ projeta para janeiro conclusão do impeachment de Witzel

    PGR defende no STF que Witzel continue afastado do cargo

    Witzel apresenta defesa em processo de impeachment no tribunal misto

    Próximos passos 

    Agora, o deputado Waldeck Carneiro (PT) tem dez dias para apresentar o acórdão com seu voto, porém prometeu fazê-lo até a próxima segunda-feira (9). Em seguida, os advogados de Witzel terão 20 dias para apresentar uma defesa prévia e pedir a produção de novas provas, como oitiva de testemunhas e perícias.

    O presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Cláudio de Mello Tavares, projetou para meados de janeiro a conclusão do processo. No entanto, segundo ele, o prazo pode não ser cumprido se for solicitada a produção de provas periciais. A produção de novas provas, como oitiva de testemunhas e perícias, precisa ser aprovada pelo tribunal. Tavares explicou que o afastamento de Witzel, segundo entendimento do Tribunal Misto, se dará até o julgamento final, não seguindo necessariamente o prazo de 180 dias.

    O desembargador também destacou que o julgamento é histórico e que será célere, sem sofrer pressões externas. 

    “O julgamento político foi na Alerj. Aqui é jurídico, técnico, com toda transparência.
    Não haverá procrastinação. Acho que sociedade precisa ter resposta rápida”, disse.

    A denúncia é de autoria dos deputados Luiz Paulo e Lucinha. Witzel é acusado 
    de crime de responsabilidade por fraudes na saúde e favorecimento a uma Organização Social. Wilson Witzel está afastado do cargo por 180 dias desde o fim de agosto, por determinação do Superior Tribunal de Justiça.

    Mais Recentes da CNN