Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    TSE vai substituir urnas eletrônicas “submersas” no Rio Grande do Sul

    Tribunal informou ter estoque suficiente para “suprir as eventuais perdas”; 1º turno do pleito será em 6 de outubro

    Lucas Mendesda CNN Brasília

    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai substituir todas as urnas eletrônicas que foram inundadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul e que seriam usadas nas eleições deste ano.

    Segundo informou a Corte, ainda não há um número de urnas afetadas, mas a Justiça Eleitoral “tem reserva técnica suficiente para suprir as eventuais perdas”. Esse estoque de urnas substitutas fica em Brasília.

    O primeiro turno do pleito será em 6 de outubro. Os brasileiros elegerão prefeitos e vereadores nos municípios do país.

    O presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, disse na quarta-feira (8) que já está “tudo pronto” para reposição de urnas eletrônicas que estivessem “submersas” no estado.

    Segundo o magistrado, o primeiro andar inteiro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) gaúcho estava submerso.

    “Temos estoque [de urnas]. Já colocamos à disposição todo nosso setor administrativo que rodará a folha de pagamento dos servidores do TRE, porque não tem condições de realizar isso, além da campanha iniciada no TSE junto aos demais TREs para doações de alimentos não perecíveis, e principalmente água potável”, afirmou Moraes, durante sessão do Supremo Tribunal Federal (STF).

    Recursos do Judiciário

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, anunciou nesta quinta-feira (9) que o Poder Judiciário já transferiu cerca de R$ 94 milhões para a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, para auxiliar nos trabalhos de enfrentamento aos estragos causados pelas chuvas no estado.

    “Essa foi a colaboração financeira que o Judiciário pôde dar, tenho estado em contato com presidentes dos tribunais sediados em Porto Alegre, e a situação é dramática do ponto de vista humano, social e econômico”, declarou o magistrado, durante evento no Palácio do Planalto para anunciar medidas ao Rio Grande do Sul.

    Barroso afirmou também que foram suspensos os prazos de todos os processos relacionados ao estado, municípios e nos quais só haja advogado com registro na OAB do Rio Grande do Sul.

    O ministro também informou que instituiu um comitê de monitoramento e apoio no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para auxiliar “em tudo que diga respeito ao Poder Judiciário em colaboração com outros Poderes”.

    “Espero que possamos transferir ainda mais recursos para a ajudar nesse espírito que não é só do Rio Grande do Sul, é de todo país, de recuperar aquele estado do ponto de vista humano, social e econômico.”