Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Waack: Frente ampla não pode ser um governo no qual ninguém se entende

    PT começar a se preocupar com a capacidade do governo de se articular. A preocupação dos dirigentes petistas é genuína

    William Waackda CNN

    A palavra divergência foi a que mais chamou atenção no discurso com o qual a senadora Simone Tebet assumiu hoje o ministério do planejamento.

    Simone teve peso importante na apertada vitória eleitoral de Lula. Virou um dos principais símbolos de uma frente ampla política para governar.

    De fato, não é comum alguém assumir um ministério dizendo que discorda de outros colegas ministros, e um deles, um dos principais, estava ali: Fernando Haddad, ministro da Fazenda. Mas foi o que ela fez, disse que tem divergências. E foi explicando.

    O presidente Lula me disse que queria isso mesmo ao compor o ministério, que queria os diferentes, contou Simone, enquanto discursava. Pelo jeito, Lula conseguiu.

    E juntou tantos divergentes a ponto da cúpula do PT começar a se preocupar com a capacidade do governo de se articular. A preocupação dos dirigentes petistas é genuína.

    Na visão deles, partidos pequenos ganharam ministérios grandes. Alguns grandes ficaram sem representação.

    No fundo, tem muito político e partido se dizendo aliado, mas há dúvidas se produzirão os votos necessários dentro do congresso.

    Fora as brigas internas do partido por cargos e influência – o jogo de sempre.

    O problema para Lula é combinar tanta diferença – ou tanta divergência, como vocês quiserem. Ou seja, como é que vai fazer para criar convergência.

    Frente ampla não pode ser um governo no qual ninguém se entende.