Waack: Manifestos adiados de empresários trariam críticas ao governo Bolsonaro

Principais líderes empresariais e os grandes banqueiros do país, definitivamente, não estão contentes com crise permanente no governo

Da CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro CNN Poder desta terça-feira (31), na CNN Rádio, William Waack analisa a postura dos empresários em relação à crise institucional no país.

“Vocês ouviram falar do manifesto dos empresários. Daí não saiu o manifesto. Ou de um manifesto de banqueiro, que também não saiu. Mas porquê? Porque os manifestos, de uma forma ou de outra, trariam críticas ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido)”, afirmou.

Para Waack, na história do capitalismo brasileiro o mais importante para grandes segmentos empresariais foi sempre quem era “mais amigo do rei”. “O que isso quer dizer? Que a proximidade das principais instâncias de decisão estatais sempre foi decisiva para o sucesso dos negócios.”

Trazendo para a questão atual, Waack diz que os principais líderes empresariais e os grandes banqueiros, definitivamente, não estão contentes com o governo Bolsonaro.

“Particularmente, os setores da economia brasileira com maior ligação no exterior – como o financeiro, o agronegócio moderno e industrial, e parte da indústria – não aguentam mais uma situação de crise institucional permanente que não só é ruim para os negócios, mas para própria economia brasileira”, afirmou.

“Vocês ouviram falar nos últimos dias do preço que essa incansável polarização política está causando em termos de economia. Falta ver qual é a consequência política disso. Empresários não costumam apontar dedos para os culpados, mas estão começando a apontar o dedo para quais candidatos eles gostariam.”

Mais Recentes da CNN