Qual a diferença entre epidemia e pandemia?


Anna Satie, da CNN Brasil em São Paulo
12 de março de 2020 às 20:44 | Atualizado 15 de março de 2020 às 17:43
Análise laboratorial de casos suspeitos do novo coronavírus (COVID-19) no Brasil

Análise laboratorial de casos suspeitos do novo coronavírus (COVID-19) no Brasil

Foto: Divulgação/Josué Damacena (IOC/ Fiocruz)

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou o surto do novo coronavírus como pandemia. Até a tarde deste domingo (15), o órgão havia confirmado mais de 153 mil casos, espalhados por 146 países e territórios.

"Essa é a primeira pandemia que pode ser controlada", disse o diretor-geral da entidade, Tedros Ghebreyesus. Segundo ele, a OMS considera preocupantes a rapidez com que o vírus tem se espalhado e o "nível de inatividade" de alguns países em relação a medidas para contê-lo.

Mas, afinal, o que é uma pandemia?

Diferença entre surto, epidemia, endemia e pandemia

Carlos Magno, professor da faculdade de Medicina da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e membro do grupo de contingência do COVID-19 no estado de São Paulo, explica que esses são nomes técnicos que descrevem o alcance de uma doença.

"Epidemia é quando uma doença apresenta um crescimento abrupto, além do que é esperado", diz. "Não chamamos de epidemia quando são doenças sazonais, como a dengue, que os casos crescem todos os anos na mesma época. Quando uma epidemia acontece de maneira constante ao longo do tempo no mesmo local, é chamada de endemia".

Magno explica que surto é um termo diminutivo de epidemia. "Esse é um termo usado genericamente para descrever uma epidemia de menor proporção, restrita a um só lugar, como um surto de gripe em uma casa de repouso, surto de uma bactéria em um hospital".

E pandemia, o que é? "Pandemia é o nome para uma epidemia de âmbito global. É a OMS quem determina se uma epidemia será chamada de pandemia, mas há um critério técnico: tem de haver transmissão ativa em pelo menos três continentes", conta.

Magno ressalta que é o órgão internacional quem faz a decisão. "Tem certa flexibilidade. O ebola, sem que chegasse nessa situação, foi descrito como emergência de saúde internacional". Em julho de 2019, a OMS declarou como emergência o surto de ebola na República Democrática do Congo, que contaminou 2.500 pessoas e matou 1.670.

Por que pandemia só agora?

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus

Foto: Denis Balibouse/Reuters (28.fev.2020)

O COVID-19 está presente em todos os continentes, exceto a Antártida. A transmissão do vírus causou cancelamento de eventos importantes e impôs quarentena a milhões de pessoas. Por que a OMS mudou a classificação só agora?

Magno explica que essa é uma categorização que é usada com muito cuidado. "Tem a ver com detalhes do regulamento sanitário internacional, que determina que diante de uma situação pandêmica, pode haver restrições de movimento, no comércio... Essas medidas têm um impacto econômico importante".

Ghebreyesus, da OMS, ressalta essa cautela. "Pandemia não é uma palavra para ser usada de maneira leviana", disse durante o anúncio. "Se mal utilizada, a palavra pode causar medo irracional ou aceitação de que a luta acabou, resultando em mortes e sofrimento desnecessários".

Segundo os últimos dados da OMS, o novo coronavírus vitimou 5.746 pessoas até agora.

Brasil tem 176 casos confirmados

O Brasil tem 176 casos confirmados do novo coronavírus, segundo números do governo federal edivulgados neste domingo (15). A maior parte dos casos está no estado de São Paulo (112).

Desde segunda-feira (9), o número de casos confirmados no Brasil se multiplicou por sete. Naquele dia, havia 25 pacientes infectados.

Os casos suspeitos chegam a 1.915, distribuídos por todos os estados brasileiros, segundo o Ministério da Saúde. Outros 1.470 casos foram descartados.