Confirmada primeira morte por novo coronavírus no Brasil


Da CNN Brasil, em São Paulo
17 de março de 2020 às 10:49 | Atualizado 17 de março de 2020 às 14:52

O governo do estado de São Paulo registrou nesta terça-feira (17) a primeira morte causada pelo novo coronavírus no Brasil. Trata-se de um homem de 62 anos que sofria de hipertensão e diabetes, informou durante uma entrevista coletiva, David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo.

Uip afirmou que a vítima sentiu os primeiros sintomas no dia 10 de março, foi diagnosticada com a COVID-19 em um laboratório privado, internada no dia 14 de março e morreu nessa segunda (16). Hoje, veio a confirmação de que a doença foi a causa da morte. Como a vítima não tinha viajado, trata-se de um caso de transmissão comunitária

Em entrevista coletiva à tarde, Uip acrescentou que outras quatro pessoas morreram na mesma rede de hospitais onde a primeira vítima foi atendida. Entretanto, a causa dessas mortes ainda estão sob investigação. 

Em nota, o grupo Prevent Senior disse que a morte aconteceu no Hospital Sancta Maggiore no bairro do Paraíso, na capital paulista. "Na manhã desta terça-feira, dia 17, a instituição privada de diagnóstico enviou o resultado do exame do paciente, comprovando a infecção pela doença COVID-19. A atenção médica prestada ao paciente seguiu rigorosamente todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde", diz a nota.

São Paulo é o estado com mais casos de COVID-19 no país, que tem 234 casos confirmados da doença. O estado, sozinho, tem 152 casos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há 168.019 casos confirmados da doença COVID-19 no mundo. De acordo com a OMS, foram registradas 6.610 mortes no mundo derivadas do novo coronavírus, que chegou a 148 países ou territórios.


Aumento de leitos em SP

Em entrevista à CNN Brasil, Paulo Menezes, coordenador de operações de emergência de São Paulo, disse que o governo do estado tem trabalhado intensamente para conseguir leitos suficientes e unidades de tratamento intensivo para tratar pacientes com o COVID-19. 

Segundo ele, o estado tem cerca de 3.500 leitos de UTIs para adultos e 500 leitos de isolamento. Porém, apesar de já existirem, têm uma ocupação bastante elevada, de cerca de 90%. 

“A estratégia inicial é chegar a 1.500 leitos dedicados para o coronavírus. A primeira fase é criar 500 novos leitos nas próximas semanas, utilizando recursos já existentes e algum apoio do governo federal e, em seguida, fazer uma desocupação progressiva de leitos que são utilizados atualmente para cirurgias eletivas, por exemplo. Depois, com o apoio do ministério, nós devemos chegar aos 1.500 leitos”, explica.

Com relação à medidas para "achatar a curva", ou seja, desacelerar a disseminação do vírus, ele afirma que não sabe quando isso vai acontecer por aqui, mas que tem esperanças e que estão trabalhando intensamente para que isso ocorra.

“O que observamos nos países que estão sendo seriamente afetados pela epidemia é que no momento em que nós estamos agora, os países começam a ter uma elevação exponencial no número de casos muito rápida, e em um mês, no máximo dois meses, a situacao fica muito crítica, como observamos na Itália. Então, nós esperamos que nesse próximo mês tenhamos elementos para poder avaliar se essas estratégias estão conseguindo achatar a curva”, conclui.

David Uip, coordenador de combate ao coronavírus em São Paulo

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, o médico infectologista David Uip, fala à imprensa sobre as medidas adotadas pelo executivo estadual

Foto: Divulgação - 13.03.2020/Governo de SP

Liberação de recursos

O Ministério da Saúde divulgou também a liberação de R$ 432 milhões para reforço aos planos de contingência e ações de enfrentamento ao novo coronavírus no Brasil. O valor será distribuído proporcionalmente ao número de habitantes de cada estado e corresponde a R$ 2 por pessoa.

Além disso, serão disponibilizados 2 mil leitos de UTI de instalação rápida para assistência a pacientes com o novo coronavírus. Para a locação, os municípios precisam solicitar a instalação. Serão distribuídos a partir de amanhã kits com camas, medidor cardíaco, bombas de infusão, entre outros. A expectativa é de que, até o fim do mês, 540 novos leitos serão instalados e estarão funcionando em todo o Brasil.

Atualmente o Brasil tem 27,4 mil leitos de UTI pelo SUS, sendo que a taxa de ocupação é de 78%. Neste ano, com apoio dos estados e municípios, 210 novos leitos entraram em funcionamento, com investimento de R$ 30,7 milhões.