Anvisa faz restrições ao uso de drogas antimalária contra o coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
20 de março de 2020 às 01:40
Tubo de teste para coronavírus com exame positivo

Teste para diagnosticar o novo coronavírus

Foto: Dado Ruvic - 19.jan.2020/ Reuters

No mesmo dia em que o governo dos Estados Unidos anunciou testes com medicamentos usados contra malária para combater o novo coronavírus (COVID-19), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez ressalvas à aplicação das drogas hidroxicloroquina e a cloroquina no combate à doença. 

Pesquisas preliminares apontaram que as duas substâncias têm o potencial de combater a COVID-19, o que levou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a dizer que a cloroquina poderá "virar o jogo" da pandemia.

"Apesar de promissores, não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento da covid-19. Portanto, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus", declarou o órgão, que acrescentou que a automedicação pode representar um grave risco à saúde.

 

Veja, na íntegra, a nota da Anvisa:

Diante das notícias veiculadas sobre medicamentos que contêm hidroxicloroquina e cloroquina para o tratamento da Covid-19, a Anvisa esclarece que: 

- esses medicamentos são registrados pela Agência para o tratamento da artrite, lúpus eritematoso, doenças fotossensíveis e malária; 

- apesar de promissores, não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento da Covid-19. Portanto, não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus; e

- a automedicação pode representar um grave risco à sua saúde.

(Com Estadão Conteúdo)