Não é mais possível rastrear origem do contágio no Brasil, diz ministério


Da CNN Brasil, em São Paulo*
20 de março de 2020 às 20:04 | Atualizado 20 de março de 2020 às 21:05
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, atualiza cenário do coronavírus

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, atualiza cenário do coronavírus

Foto: TV Brasil (20.mar.2020)

O Ministério da Saúde publicou portaria nesta sexta-feira (20) declarando estado de transmissão comunitária do novo coronavírus (COVID-19) em todo o território brasileiro, o que significa que não é mais possível rastrear a origem do contágio no Brasil. O número de mortos pelo novo coronavírus no Brasil subiu para 11 hoje, com 904 casos confirmados.

Assinada pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, a portaria diz ainda que, para a contenção da transmissão da doença, deverão ser adotadas medidas como o isolamento domiciliar de pessoas com sintomas respiratórios pelo período máximo de 14 dias.

Leia também

Número de casos de coronavírus dobra no Brasil a cada dois dias

A portaria estabelece que o isolamento somente poderá ser determinado por prescrição médica, considerando os sintomas respiratórios ou resultado laboratorial positivo para o novo coronavírus.

A medida também ressalta que pessoas com mais de 60 anos — que fazem parte do grupo de risco para a doença — devem observar distanciamento social e restringir seus deslocamentos, evitando o uso de transporte coletivo e a participação em eventos esportivos, artísticos ou culturais.

Disputa política

A portaria é publicada em meio a uma disputa política entre a União e os estados, que vem divergindo sobre as medidas a serem adotadas para conter a disseminação do novo coronavírus. Mais cedo, durante entrevista coletiva, o ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) afirmou que a COVID-19 deve ser tratada como um problema nacional.

"O Brasil vai ter que entender que nós somos um todo, um continente e que estamos todos com transmissão sustentada. Essa divisão de estados é uma divisão administrativa, as pessoas moram nas cidades, e nós vamos centralizar e organizar essa situação", afirmou.

Na mesma fala, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que incumbiu o ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, de "uniformizar" as medidas adotadas pelo estado.

"Não pode cada governador tomar a medida que achar melhor", disse. "Teve um estado do Brasil que só faltou o governador declarar independência do mesmo, fechando rodovias, fechando aeroportos, que não é de competência dele. Então, vamos uniformizar, porque a economia não pode parar", argumentou, em referência ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

Durante o dia, governadores que defendem medidas mais duras fizeram críticas à forma como Bolsonaro vem conduzindo a crise. “Nós estamos nos reunindo com as autoridades e tomando as atitudes necessárias. Nós estamos fazendo o que ele deveria fazer como líder do país, mas não faz”, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Transmissão

Pelos critérios técnicos, os estados que já registraram a transmissão comunitária, também conhecida como sustentada, são Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo. Este tipo de propagação é caracterizado no momento em que não é mais possível identificar a origem da contaminação de uma pessoa naquela cidade.

*Com informações do Estadão Conteúdo