Coronavírus: Médico recomenda não cumprimentar com o cotovelo; veja outras dicas


Da CNN Em São Paulo
23 de março de 2020 às 10:32

A Campanha Nacional de Vacinação começa nesta segunda-feira (23) inicialmente para idosos e trabalhadores da saúde. A ação foi antecipada neste ano para ajudar na identificação de pacientes com coronavírus - a imunização não tem eficácia contra o vírus, mas como os sintomas da doença são parecidos com os da gripe, a medida facilita os diagnósticos por exclusão.

Em entrevista à CNN, o médico Fernando Ferry, diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, esclareceu as principais dúvidas quanto à vacina para idosos.

"Essa vacina geralmente ela é universal, quem não pode se vacinar é quem está com alguma doença auto imune, onde o sistema imunológico está baixo. Mas o idoso é  muito importante para evitar a coinfecção do vírus, da Influenza, que causa a gripe, com o coronavírus. Quando os dois ocorrem ao mesmo tempo é muito mais grave", alertou.

Ferry recomendou diversos itens de proteção. A máscara verde, por exemplo, deve ser utilizada apenas por quem está doente. "O vírus você pega com a mão e gotículas", reforçou. O médico também não recomenda a utilização de luvas, afirmando ser 'apenas para uso de profissionais da saúde' não apresenta eficácia.

Questionado sobre as mudanças de comportamento, principalmente no cumprimento, Fernando não recomenda a utilização de cotovelos para saudações. "Tem a indicação de se tossir e espirrar na parte interna do braço, próximo ao cotovelo, contaminando a região e ao bater, você pode transmitir o vírus", recomendou. 

A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde é importante para combater o vírus da Influenza e não combate o COVID-19. Entretanto, é necessária para o combate à pandemia. "Ela é muito importante, tanto que agora foi tomada a decisão de se ter 'drive-thru' -- um local de serviços que para obtê-los o cliente não precisa sair do carro-- para não expor a pessoa idosa. (...) Por isso devemos nos vacinar anualmente contra a gripe, pois o vírus muda.", afimou Ferry. 

Questionado sobre os riscos da saída de idosos para a vacinação e sintomas após tomar a vacina, o médico orientou a ficar sempre alerta. "Se a pessoa está tendo sintomas de resfriado, ela tem que passar por uma avaliação para ver se vai poder tomar vacina ou não. A segunda questão, é se o idoso estiver com acompanhante que tenha sintomas, ele tem que usar máscara, ela é indicada apenas para quem tenha sintomas. E manter, nessas filas [de vacinação] pelo menos um metro e meio de distância entre um e outro(...) Com relação aos sintomas, as vacinas podem ter reações. Aquele idoso que estiver acamado, o agente de saúde irá até a casa atendê-lo", lembrou.

Ao mecionar o contágio, o médico alertou sobre os sintomas que deverão ser sinais de atenção. "O vírus você pega com a mão, você coloca a mão em uma superfície contaminada e leva à boca, olho, nariz e aí você pega. O principal sinal de alerta é a falta de ar. Se sentir, tem que ir precocemente para ser avaliado no sistema de saúde. Mas se não tiver, é repouso, tomar dipirona, se alimentar bem, beber bastante líquido e ficar em casa", concluiu.

0