Conselho de Enfermagem recebe 1271 denúncias de falta de equipamento de proteção


Daniel Motta, Guilherme Niero, Anne Barbosa, e Pedro Duran Da CNN, em São Paulo
26 de março de 2020 às 19:29 | Atualizado 26 de março de 2020 às 19:56
 

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) recebeu até esta quinta-feira (26) 1.271 denúncias de falta de equipamentos de proteção, os EPIs, para profissionais da área da saúde, que estão justamente recebendo os pacientes com coronavírus.

A reportagem da CNN recebeu alguns desses relatos em vídeo e áudio, mostrando a situação de hospitais pelo Brasil.

As imagens mostram um avental sem capacidade de impermeabilização, locais para descarte de lixo hospitalar inadequados e a falta de máscaras e itens como álcool gel.

Em Araguaí, no Tocantins, profissionais da área da saúde chegaram a fazer um protesto pela falta dos equipamentos de proteção.

O médico Edoardo Vattimo, que faz parte do Conselho Regional de Medicina de São Paulo,  esclareceu que os médicos tem o direito de se recusar a trabalhar se faltarem equipamentos essenciais para o exercício da função. O mesmo vale para os enfermeiros segundo o código de ética da profissão.

Outro lado

Hospital Santa Marcelina: "O Hospital Santa Marcelina de Itaquera segue as recomendações e protocolos estabelecidos e não mede esforços para manter a segurança de todos os pacientes e colaboradores."

Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro: "A Secretaria Municipal de Saúde está reforçando seus estoques de equipamentos de proteção individual e a orientação para os profissionais sobre uso correto do EPI . O equipamento deve ser usado em procedimentos, que gerem aerossóis, como durante a entubação do paciente com suspeita de coronavírus. A SMS está adquirindo cerca de um milhão de capotes impermeáveis para distribuição nas unidades, embora nota técnica da Anvisa não estabeleça a obrigatoriedade da impermeabilidade."

Ministério da Saúde: "O Ministério da Saúde tem trabalhado para garantir insumos com diferentes fornecedores nacionais ou internacionais, a partir de compra emergencial, para reforçar o apoio aos estados e municípios no enfrentamento do Covid-19. Assim, a pasta realizou a compra de 60 milhões de unidades de 21 itens de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), dentre eles: óculos de proteção, luvas, álcool em gel, sapatilhas, toucas, máscaras e aventais. Estados já começaram a receber os insumos e devem encaminhar aos municípios. A pasta já iniciou novo processo para compra de mais 72,4 milhões de unidades de EPIs para reforçar estoques dos estados e municípios. No novo processo de aquisição estão 17 itens de insumos como álcool em gel, máscaras cirúrgicas, luvas, óculos de proteção, touca, sapatilhas e aventais hospitalares. Cabe reforçar que as aquisições do Ministério da Saúde são complementares aos estoques que as gestões locais realizam para o abastecimento das unidades de saúde da rede pública."