Cientistas ainda não sabem se infecção pelo novo coronavírus garante imunidade

"Simplesmente ainda não sabemos se é imunidade por um mês, imunidade por seis meses, imunidade por seis anos", disse médica da Casa Branca

Wes Bruer, CNN
19 de abril de 2020 às 15:28
Teste avalia plasma de pessoas que se recuperaram para detectar anticorpos contra o vírus
Foto: Shannon Stapleton - 11.mar.2020/ Reuters

Ainda não é possível saber se, após a infecção pelo novo coronavírus e posterior recuperação, a imunidade está garantida no futuro, disse hoje (19) a médica Deborah Birx, uma das coordenadoras de combate ao coronavírus na Casa Branca. 

"É por isso que estão sendo realizados estudos com plasma e pessoas doentes estão recebendo plasma, assim como estão sendo realizados estudos com vacinas. Precisamos saber se o anticorpo produzido será eficaz e garantirá imunidade, disse Birx em entrevista à TV americana CBS.

Leia também:

COVID-19: Médico explica como funciona a doação de plasma e quem pode ajudar

Quando questionada se os EUA podem ver o surgimento de novos casos ao final da pandemia, como na Coreia do Sul, e se considera que esses novos casos demonstram que as pessoas infectadas não desenvolveram imunidades, a médica respondeu que "essas são questões que temos que responder cientificamente". 

Com exceção do HIV, na maioria dos casos de doenças infecciosas, as pessoas que se recuperam desenvolvem anticorpos, o que geralmente significa que as pessoas estão imunes.

"Simplesmente ainda não sabemos se é imunidade por um mês, imunidade por seis meses, imunidade por seis anos", disse Birx.