Isolamento pode gerar culpa; psicanalista dá dicas para manter saúde mental

Sentimento é consequência, por exemplo, de achar que produtividade caiu no trabalho em casa ou por não se dedicar a familiares como se gostaria

Da CNN, em São Paulo
19 de abril de 2020 às 21:57

A pandemia do novo coronavírus nos obrigou a parar e ficar em casa. Por sermos seres sociais, acostumados a estar em grupo, o isolamento e a imprevisibilidade do momento têm mexido com a nossa saúde mental. Um efeito psicológico disso pode ser uma inerente sensação de culpa por conta de uma possível queda do rendimento de trabalho em casa ou por estar se dedicando em demasia à profissão, em detrimento da atenção aos familiares.

A psicanalista e professora da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) Maria Homem falou à CNN neste domingo (19) sobre este sentimento de culpa ligado ao distanciamento social. Ela diz que, tendo ou não que produzir, o ser humano sente culpa ou porque acha que não está cumprindo com todas as responsabilidades.

“A gente está sempre se debatendo com uma imagem do que a gente deveria ser. Não só o que a gente é. Para citar o Freud, estamos a todo tempo entre o eu e um ideal de eu. O tempo inteiro é você e o que você acha que deveria estar sendo, sentindo ou pensando”, explica a psicanalista.

Segundo Maria, a publicidade sobre vender cursos, sessões de beleza e outros aprimoramentos levam as pessoas a um ideal imaginário que as deixam com a sensação de estarem aquém do que poderiam ser. Ela questiona se a sociedade, depois da pandemia, vai conseguir ultrapassar essa condição. Para isso, diz ela, será preciso saber dizer "não" quando não se pode ou não se quer ter ou ser algo.

Maria Homem disse acreditar que, no futuro, pode haver uma espécie de revolução social que será pautada justamente na possibilidade de se estar só e não precisar, necessariamente, viver em grupo ou em dupla, como um casal. Ela defende que o real pensamento é profundamente solitário. Por isso é tão importante, nestes tempos de isolamento, poder estar só e pensar por si só.