Infectados por coronavírus chegam a 3 milhões no mundo


Da CNN, em São Paulo
27 de abril de 2020 às 14:21 | Atualizado 27 de abril de 2020 às 14:46
3 milhões coronavírus

Coronavírus infecta 3 milhões de pessoas no planeta

Foto: Reprodução/ Johns Hopkins

O número de casos confirmados do novo coronavírus em todo o mundo chegou a 3 milhões nesta segunda-feira (27), de acordo com o levantamento feito pela universidade norte-americana Johns Hopkins, uma das mais respeitadas instituições de saúde do mundo.

Ao todo, mais de 208 mil pessoas já morreram em decorrência da pandemia, que está presente em 185 países e territórios em todos os continentes, exceto a Antártida. Por outro lado, mais de 880 mil pessoas já estão curadas da COVID-19.

Os Estados Unidos são, com folga, o país mais afetado pela doença, com 972.969 infectados e mais de 55 mil mortos, seguido por Espanha, com 229.422 infectados e 23.521 mortos, e Itália, com 199.414 diagnosticados e 26.977 vítimas fatais.

Em comparação com quando o mundo chegou a 2 milhões de casos, os EUA tiveram um aumento de 58,4% na quantidade de casos da COVID-19. Já na Espanha, a subida foi de 32,9% e na Itália de 21,6%.

Ainda de acordo com os dados da Johns Hopkins, foram necessários apenas 12 dias para passar de 2 milhões para 3 de contagiados pelo novo coronavírus. Anteriormente, o mundo havia levado 13 dias para subir de 1 milhão para 2 milhões de casos.

Assista e leia também:

Casos de coronavírus no mundo já são mais de 2,9 milhões

Trump sugere luz solar e injeção de desinfetante para tratar coronavírus

“Estamos próximos do pico do coronavírus em São Paulo”, diz presidente do Incor

Outros números

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), são 2.858.635 pessoas infectadas em todo o mundo infectados pela COVID-19, além de 196.295 mortos. A organização diz também que 213 países ou territórios já foram atingidos pela pandemia.

A diferença em relação aos dados da Johns Hopkins é por conta da metodologia utilizada – a OMS atualiza a cifra uma vez por dia, de acordo com os dados oficiais de cada país.

Já a universidade incrementa os números várias vezes ao dia, com a ajuda de uma automação que compila dados de órgãos de saúde em vários países e continentes.