Crianças em casa? Especialistas recomendam manter rotina e conversar


da CNN, em São Paulo
03 de maio de 2020 às 09:50

Se em muitos adultos o isolamento social pode trazer medo, angústia e insegurança, as consequências da pandemia podem ser ainda mais graves entre as crianças e os adolescentes. De acordo com a cartilha da Sociedade Brasileira de Pediatria, é fundamental que os pais conversem com as crianças usando um diálogo adequado à cada idade. Assim elas vão fazer reflexões que depois irão ajudá-las a atravessar esse período.

A psicanalista Flavia Schimith aconselha observar os sentimentos das crianças para poder ajudá-las durante a quarentena. "[É importante] não se cobrar e não cobrar da criança num período como o que a gente está vivendo. Primeiro observe e acolha o que essa criança está sentindo, pois muitas vezes ela não vai conseguir manifestar esse medo em palavras", diz.

Outra orientação importante das autoridades de saúde é tornar esse período o mais leve possível. Brincar pode ser uma maneira não só de atravessar o isolamento e a pandemia mas também uma chance de poder conversar mais e resgatar hábitos que talvez estivessem perdidos em meio a correria do dia a dia. 

"Jogos, cozinhar juntos, relembrar brincadeiras de infância dos pais. É fundamental passar a mensagem para as crianças de que esse momento vai passar, vamos voltar à nossa rotina, à nossa vida com a escola, com o trabalho dos pais, com visita aos avôs", orienta a psicopedagoda Sonia Teixeira.