Doria: vacina para Covid-19 que será feita em SP está em última fase de testes


Da CNN
11 de junho de 2020 às 20:31 | Atualizado 11 de junho de 2020 às 21:18

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (11) à CNN que a vacina contra a Covid-19 que será produzida no Brasil em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech já está no último estágio de testes. O governador reafirmou que, dentro de três semanas, 9 mil voluntários brasileiros participarão dos testes.

João Doria destacou que, entre dezenas de vacinas sendo desenvolvidas no mundo, a produzida no Brasil está entre as dez mais adiantadas no mercado, por já se encontrar na fase 3 do processo de produção. 

“Das quase 130 evoluções para a vacina, apenas dez estão no terceiro estágio de testes. Aprendi com cientistas que todas as vacinas ou medicamentos têm 3 estágios de testes, estamos no terceiro e último estágio, vencemos positivamente os primeiros testes. Nessa etapa existem apenas 10 consórcios no mundo, São Paulo, Brasil e a China e mais nove. E não se trata de uma corrida, podemos ter até dez vacinas com eficiência contra o coronavírus, tomara que isso aconteça”, afirmou Doria.

Leia também:

Vacina contra o novo coronavírus estará disponível até junho de 2021, diz Doria

Brasil passa de 800 mil casos e 40 mil mortes por Covid-19, diz ministério

O governador reafirmou que milhões de doses da vacina serão disponibilizadas, gratuitamente, em junho de 2021, com produção na China e em São Paulo

“Vamos terminar os testes até o final de março de 2021", afirmou. "Em junho teremos a vacina disponibilizada gratuitamente, esse é nosso compromisso."

Ministério da Saúde

Doria afirmou que antes de anunciar a vacina, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes nesta quinta-feira, enviou uma mensagem ao ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.

“Hoje comuniquei o ministro Pazuello por Whatsapp, avisando que estamos entrando na fase 3 do projeto, que eu daria esta boa notícia. A relação com Pazuello é republicana, ele tem sido bastante correto e tem cumprido os compromissos estabelecidos, atendendo o estado de São Paulo."

Parceria

Em nota divulgada na manhã desta quinta-feira, o laboratório Sinovac Biotech afirmou que a parceria com o Instituto Butantan é o primeiro de uma série de acordos que devem ser concluídos entre as partes para estabelecer uma ampla colaboração que inclui licenciamento de tecnologia, autorização de mercado e comercialização da Coronavac, o nome da vacina criada pelo laboratório.

"Essa pandemia tem um impacto trágico em todo o mundo, e esta aliança distinta com a Sinovac para conduzir a última fase dos ensaios clínicos trará esperança de ter uma vacina a curto prazo. O Butantan espera apoiar não apenas o desenvolvimento clínico, mas também as atividades de comercialização e fabricação da Coronavac no Brasil", afirmou Dimas Covas, na nota divulgada pelo laboratório chinês.

O CEO da Sinovac, Weidong Yin, também elogiou a parceria e se disse orgulhoso de trabalhar com o Instituto Butantan. “A Sinovac poderá aumentar a velocidade sem precedentes do desenvolvimento do Coronavac sem comprometer nossos altos padrões e procedimentos de segurança”, disse.

(Edição: Bernardo Barbosa)