Geriatra explica sinais de alerta para sintomas de Covid-19 em idosos


Da CNN, em São Paulo
14 de junho de 2020 às 11:20 | Atualizado 10 de setembro de 2020 às 08:59
 

Os idosos são o grupo mais vulnerável a todas as doenças infecciosas, e essa realidade os deixa na faixa dos que mais têm complicações entre os infectados pelo novo coronavírus. 

"Mais de 30% dos óbitos que ocorrem pela doença no Brasil são de idosos e é uma característica da própria população", disse à CNN, o presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Carlos André Uheara, que explicou quais são os sinais de alerta para sintomas da doença na população acima de 60 anos.

Segundo o especialista, os idosos também podem ser assintomáticos, ou seja, não apresentar sintomas de infecção pela doença. "A grande diferença para com a população mais jovem é o maior número de óbitos. 4% dos idosos acima de 60 anos que tiveram Covid foram a óbito; acima dos 70 anos, esse número vai a 8%; e acima dos 80, 16% vão a óbito".

O geriatra disse que os mesmos sintomas apresentados na população jovem também aparecem em idosos com coronavírus (febre, tosse e falta de ar estão entre os mais comuns).

Leia e assista também:

Entenda como pessoas que não tiveram Covid-19 podem ter imunidade ao vírus 
Muitas pessoas perderam o olfato com o novo coronavírus. Será que ele volta? 
Por que a vacina chinesa pode ser menos eficaz em idosos?

"Muitas vezes, o idoso não tem febre, apenas pequena elevação da sua temperatura, ou, em outros casos, tem hipotermia. Ao invés de febre, a temperatura corporal cai. Outro sintoma atípico é a sonolência excessiva, o idoso fica mais prostrado, sem vontade de fazer as coisas, cochilando com maior frequência que o normal", explicou.

Outos pontos que merecem atenção, relatados pelo especialista, são agitação fora do comum e o aumento do número de quedas. "Idoso cair é comum, mas não é normal. Se perceber que [após a queda] ele fica ofegante, tem que ficar atento."

(Edição: Sinara Peixoto)