Hipertensos correm mais riscos com a Covid-19? Infectologista esclarece


Da CNN, em São Paulo
28 de junho de 2020 às 12:44 | Atualizado 28 de junho de 2020 às 14:50

A hipertensão está entre as comorbidades que necessitam de maiores cuidados contra o novo coronavírus. O médico infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto Emílio Ribas, tirou as principais dúvidas dos telespectadores da CNN neste domingo (28) e explicou porque os hipertensos devem redobrar a atenção para prevenir a Covid-19.

Segundo o especialista, o novo coronavírus utiliza uma das proteínas estabilizadoras da pressão arterial para adentrar o organismo humano e, assim, chegar aos pulmões.

"Como o vírus se aproveita desse canal para entrar no pulmão, o hipertenso passa a ter uma experiência maior em termos de vírus. Com relação aos medicamentos, ficou muito claro que alguns remédios que inibem ou bloqueiam essas enzimas não seriam responsáveis por intensificação dos quadros [de Covid-19]", detalhou.

Leia e assista mais:

Médico responde: imunidade está garantida para quem já teve Covid-19?
Primeira morte por Covid-19 no país ocorreu em 12 de março em SP, diz ministério
Brasil tem 1.109 novas mortes por Covid-19; total passa de 57 mil
Mortes por Covid-19 no interior de SP crescem com o dobro do ritmo da capital

O médico completou que há estudos que indicam a possibilidade das medicações de hipertensão até terem mecanismos de proteção contra as formas mais graves do novo coronavírus em pacientes crônicos. "Por isso as sociedades de cardiologia do mundo não alteraram ou fizeram alguma orientação para mudar essas medicações para pressão arterial [para os pacientes recorrentes]", disse.

Inverno acende alerta

Jean Gorinchteyn disse que as temperaturas mais baixas geram alertas para o aumento da pressão arterial. O ideal é o paciente hipertenso medir constantemente a pressão e, se necessário, buscar ajuda médica.

"Na época de frio, a tendência natural é os vasos ficarem mais fechados e a pressão tende a aumentar. Por isso, no inverno, é muito mais comum os casos de infartos e derrames em decorrência dessas elevações de pressão arterial", explicou o infectologista.

"Todas as pessoas que têm qualquer doença, seja cardíaca, de pressão ou pulmonar, bem como a população comum, têm que manter as três regras: distanciamento social, uso de máscaras e higienização das mãos com água e sabão ou álcool em gel. Para os indivíduos com doença pulmonar, é muito importante também fazer uma dieta com pouco sal", aconselhou.

(Edição: André Rigue)