Suposta imunidade de rebanho é 'inatingível', diz estudo espanhol

Pesquisa feita com 61 mil espanhóis mostrou que apenas 5% da população tem anticorpos ao novo coronavírus

Al Goodman, da CNN
06 de julho de 2020 às 18:21 | Atualizado 07 de julho de 2020 às 10:19

O estudo espanhol do novo coronavírus em larga escala indica que apenas 5% da sua população desenvolveu anticorpos, fortalecendo a evidência de que a suposta imunidade de rebanho à Covid-19 é "inatingível", reportou a revista médica The Lancet nesta segunda-feira (6).

A descoberta mostra que 95% dos espanhóis continuam suscetíveis ao vírus. A imunidade de rebanho é atingida quando uma parcela suficiente da população é infectada por um vírus ou bactéria —ou vacinada contra esses micro-organismos— para frear a sua circulação.

O Centro de Controle de Doenças Europeu disse à CNN que a pesquisa da Espanha, com uma amostra representativa em território nacional e mais de 61 mil participantes, parece ser o maior estudo até o momento, entre uma dúzia de outros realizados por nações europeias.

O estudo acrescenta às conclusões de um estudo de anticorpos envolvendo 2.766 participantes em Genebra, na Suíça, publicado no The Lancet em 11 de junho.

Leia e ouça também:

Coronavíus Fato x Ficção: Imunidade de rebanho, o que é e o que se pode dizer no caso da Covid-19

Fauci teme que movimento antivacina impeça imunização contra a Covid-19 nos EUA

Houve pesquisas similares na China e nos Estados Unidos e "a conclusão chave dessas amostras representativas é que a maior parte da população parece não ter sido exposta" à Covid-19, "mesmo em áreas com alta circulação do vírus", disse um comentário da revista, publicado junto das descobertas espanholas.

"À luz desses achados, qualquer abordagem proposta para atingir imunidade de rebanho por meio da infecção natural não somente é altamente antiética, mas também inatingível", disseram os autores do comentário, Isabella Eckerle, chefe do Centro de Genebra para Doenças Virais Emergentes, e Benjamin Meyer, um virologista da Universidade de Genebra.

Médicos estão incertos se ter anticorpos ao novo coronavírus significaria que essa pessoa não pode ser infectada novamente. Ainda não é claro por quanto tempo ou a que medida os anticorpos protegem as pessoas a esse vírus.

O estudo espanhol, já revisado pelos pares, começou em abril, enquanto a nação permanecia sob lockdown restrito, e foi conduzido pelas principais agências epidemiológicas e de pesquisa do governo.

"A seroprevalência relativamente baixa observada no contexto de uma epidemia intensa na Espanha pode servir como referência para outros países. Neste momento, imunidade de rebanho é difícil de atingir sem aceitar o dano colateral de muitas mortes entre a população suscetível e a sobrecarga de sistemas de saúde", diz o relatório.

A autora líder do estudo, Marina Pollán, que é diretora do Centro Nacional de Epidemiologia, disse à CNN: "Alguns especialistas computaram que cerca de 60% de seroprevalência poderia significar imunidade de rebanho. Mas estamos muito longe de atingir este número".

A Espanha foi um dos países europeus mais atingidos pelo novo coronavírus, com mais de 28 mil mortes e 250 mil casos.

A The Lancet publicou os resultados da primeira fase do estudo espanhol, conduzido entre 27 de abril e 11 de maio, que indicava prevalência de anticorpos em território nacional de 5%.

Entretanto, na área metropolitana de Madri, a mais acometida pela Covid-19 em todo o país, tinha mais de 10% de prevalência. A densamente populada Barcelona tinha 7%, enquanto outras províncias litorâneas tinham índices bem mais baixos.

De maneira similar, a prevalência em Genebra era de cerca de 10,8% no estudo suíço conduzido entre abril e o começo de maio, como reportado pela The Lancet.

"Com a maioria da população ainda não infectada pelo vírus, a circulação pode vltar rapidamente a uma dimensão pandêmica em uma segunda onda uma vez que as restrições sejam suspensas", disseram Eckerle e Meyer sobre as descobertas.

Os resultados da segunda fase do estudo espanhol foram divulgados em 4 de junho, e mostravam uma prevalência de 5,2%, apenas pouco maior do que na primeira fase. A conclusão da terceira fase foi publicada nesta segunda e mostram que o índice nacional permaneceu em 5,2%, disse Pollán.

(Texto traduzido, veja o original em inglês)