Brasil testa cannabis contra estresse em profissionais que combatem Covid-19


Débora Freitas e Stéphanie Nascimento Da CNN, em São Paulo
08 de julho de 2020 às 05:00 | Atualizado 08 de julho de 2020 às 07:57

A Associação Brasileira de Apoio a Cannabis Esperança (Abrace) deu início à primeira etapa de uma pesquisa que vai avaliar o impacto dos canabinoides no tratamento dos sintomas de estresse agudo e crônico em profissionais da saúde que atuam na linha de frente da Covid-19.

A entidade, única no Brasil a ter permissão judicial para cultivar cannabis para uso medicinal, vai recrutar 300 médicos e enfermeiros para um estudo clínico com óleo a base de substâncias encontradas na planta. 

A pesquisa foi validada no final de junho pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e será conduzida por profissionais da UFSC e da Abrace. 

A CNN conversou com o farmacêutico Murilo Chaves Gouvêa, integrante da Abrace e um dos coordenadores da pesquisa. Segundo ele, os efeitos ansiolíticos dos produtos à base da planta já foram comprovados cientificamente. “Queremos agora trazer uma robustez científica pra mostrar que aqui no Brasil nós conseguimos fazer estudos de impacto com a cannabis”, afirma.

Leia também:

Cinco sinais de que a sua ansiedade em relação ao coronavírus ficou séria

Cansaço da quarentena: por que paramos de ser vigilantes e como superar isso

Pandemia tornou muitas situações sociais esquisitias. Veja como lidar com elas

Para participar da pesquisa, os profissionais de saúde não podem apresentar condição psíquica severa, fazer qualquer tratamento com canabinoides e nem ser usuário regular de maconha. 

No estudo, parte dos pacientes receberá doses do óleo integral de cannabis, com concentração de 100mg/ml de canabidiol (CBD) e baixos índices de THC, que é a substância psicoativa da planta. Outra parte receberá placebo.

No Brasil, os produtos à base de maconha são utilizados para tratar casos de epilepsia, autismo, Alzheimer e dores crônicas, entre outros. 

No final do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regulamentou a venda de produtos medicinais à base da planta nas farmácias brasileiras, mediante prescrição médica. A produção também foi autorizada, mas só com matéria prima importada.

O cultivo de cannabis para fins terapêuticos ou científicos no Brasil não é permitido, mas algumas famílias que alegam dificuldades financeiras para comprar a medicação têm conseguido na justiça autorização para plantar.

A Abrace será responsável por produzir o óleo que será usado no estudo e recrutar os voluntários. O cadastro pode ser feito pelo link https://abraceesperanca.org.br/home/pesquisa-covid/

Isolamento social

Um levantamento feito pela HempMeds Brasil mostra que 87% dos médicos que já prescrevem cannabis para fins medicinais no país receitaram produtos a base da planta para pacientes com queixas de transtornos mentais causados pelo isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus.

A HempMeds Brasil chegou no Brasil em 2014 e hoje é a maior empresa fornecedora de CBD no país atendendo cerca de 2.000 pessoas e com aproximadamente 2.000 médicos prescritores do medicamento.

De acordo com a porta-voz da marca, Adriana Grosso, os pacientes relatam aos médicos que a ansiedade é o principal sintoma, seguido de depressão e transtornos psiquiátricos.

Com a utilização do CBD, a porta-voz explica que o remédio age de forma para restabelecer o equilíbrio do organismo e que o efeito demora, em média, 30 dias. "O sistema endocanabinoide, que é formado por receptores e substâncias químicas, eles interagem entre si, faz com que o organismo fique bem e estável. Quando tomamos o canabidiol, ele reforça o estado de equilíbrio, atuando exatamente do sistema endocanabinoide.”

Ao todo foram ouvidos 31 profissionais e 35,5% afirmaram que nos últimos 50 dias, atenderam entre seis e dez novos pacientes com sintomas psicológicos por causa do isolamento social.

Existem em torno de 4 milhões de brasileiros com alguma doença que pode ser tratada com a cannabis medicinal, entre elas, depressão, ansiedade e distúrbios do sono.

Apesar de o remédio ser pouco conhecido no Brasil e o país apenas importar o produto, encarecendo muito o medicamento, Adriana Grosso acha que o produto tem grandes chances de crescer no mercado “Já temos vários artigos científicos e publicações que mostram que o CBD associado ou não ao THC tem grande poder antipsicótico, antiosiolitico, antidepressivo, diante dessa base científico tem potencial para serem utilizados”