Ansioso na pandemia? Psiquiatra explica como notícias impactam a saúde mental

Psiquiatra Daniel Barros, do Hospital das Clínicas, falou sobre a importância de distrair a mente durante o isolamento social

Da CNN, em São Paulo
12 de julho de 2020 às 09:53

Consumir informações diárias sobre a pandemia do novo coronavírus pode não ser bom para a sua saúde mental, afirmou o psiquiatra Daniel Barros, do Hospital das Clínicas. Em entrevista à CNN, o especialista disse que é importante distrair a mente com outros assuntos, já que acompanhar a evolução dos números da doença pode gerar mais ansiedade nas pessoas.

"Alimentar o cérebro o tempo todo com esse tipo de informação nos deixa mais ansiosos. O que eu tenho falado para as pessoas desde o início da pandemia é: consuma informação com responsabilidade. Você sabe o que está acontecendo e, depois, se afasta um pouco [das notícias]", aconselhou Barros.

O psiquitra citou estudos feitos após outras grandes tragédias, como o 11 de setembro e o furacão Katrina, nos Estados Unidos, que demonstraram que pessoas expostas de forma contínua às notícias sobre o assunto têm mais chances de adoecer mentalmente. "Porque o cérebro fica lá ocupado vendo tudo aquilo e a pessoa pode ter um transtorno de ansiedade", explicou.

Leia e assista mais:

Como a leitura pode combater a ansiedade na pandemia
'Síndrome do coração partido' aumentou durante a pandemia, diz estudo

Barros ainda lembrou que qualquer mudança em nossa rotina já gera estresse e com a adaptação à quarentena não foi diferente. Idosos, o principal grupo de risco para a Covid-19, tiveram sua saúde mental bastante afetada com o isolamento social.

"Estresse é a reação do nosso organismo diante de mudanças. Mudar de casa, emprego, começar um casamento estressam. Ao mudar, você tem que fazer um esforço mental e se preocupar mais, prestar atenção. Foi estressante entrar na quarentena porque os idosos com mais riscos ficaram enclausurados. De repente, vai reabrir e é um novo estresse porque já estávamos com o roteiro pronto para a quarentena", disse o psquiatra.

(Edição: Luiz Raatz)