Hospital das Clínicas investiga possíveis casos de reinfecção por coronavírus

Infectologista da instituição explicou que é baixa a possibilidade de pacientes estarem reinfectados, mas ainda podem apresentar traços do vírus no corpo

Da CNN
18 de julho de 2020 às 12:12 | Atualizado 18 de julho de 2020 às 12:12

O Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo, investiga dois possíveis casos de reinfecção pelo novo coronavírus. Dois pacientes apresentaram sintomas e testaram positivo para a Covid-19 em períodos diferentes e, por isso, foi instaurada uma investigação na instituição para apurar os possíveis casos de reinfecção.

Infectologista do HC, a médica Anna Sara Levin explicou à CNN que os pacientes passam bem. Apesar de em todo o mundo não haver registros de reinfecção pela doença, a especialista ressaltou que ainda há muito a ser descoberto sobre a Covid-19.

"Ninguém tem a absoluta certeza de que quando você teve a infecção pelo coronavírus está imune. Cada vez que uma pessoa já teve o quadro confirmado e apresentar novamente [os sintomas], precisa ser investigado", disse.

Leia mais: 

Sociedade Brasileira de Infectologia recomenda o abandono da hidroxicloroquina

Brasil confirma 34.177 casos e 1.163 novas mortes por Covid-19

Mundo tem 1 milhão de novos casos de Covid-19 em apenas 4 dias

Segundo ela, é a baixa a possibilidade que os pacientes de São Paulo estejam reinfectados pelo novo coronavírus. O mais provável é que o vírus ainda esteja presente em ambos.

"Às vezes, as pessoas ficam com o exame positivo por muito tempo. Pode ter tido há três meses e continua dando positivo. Pode-se achar que é outra infecção por coronavírus, mas é mais provável que seja outra virose [que causou novos sintomas] e, por isso, o exame ainda dá positivo", esclareceu Anna.

Outra possibilidade, destacou a médica, é a imunidade pós-infecção não existir e ser possível se infectar diversas vezes pela doença.

"Por outro lado, se isso fosse a regra, a doença não acabava nunca e estamos vendo que, dentro de uma população, ela se esgota. Ou seja, as pessoas começam a ficar imunes e o vírus começa a parar de circular."

(Edição: Bernardo Barbosa)