Especialistas questionam termo 'segunda onda' sobre casos de Covid-19 no Brasil

Médicos infectologistas debateram se números atuais da pandemia indicam uma nova onda de infecções no país

Da CNN
25 de julho de 2020 às 11:52

Apesar de um levantamento feito pela Fundação Oswaldo Cruz apontar o crescimento nos casos de internações por Covid-19 em regiões que já tinham apresentado queda, médicos infectologistas pedem cuidado ao classificar a situação como uma segunda onda da pandemia no país.

Em entrevista à CNN, o pesquisador da FioCruz Julio Croda diz que devemos considerar que cada cidade e estado "teve uma epidemia de Covid" diferente.

"[Por isso], cada estado e cidade pode viver ou não uma segunda onda [de infecções]. Tudo depende da intensidade em que a circulação ocorreu no passado e das medidas preventivas que estão sendo adotadas no momento de flexibilização", explicou.

O infectologista Carlos Magno Fortaleza, membro do Comitê de Contingência do Estado de São Paulo, acrescentou que, na medicina, uma segunda onda de pandemia é analisada quando uma doença já está controlada na população.

"Como não chegamos nessa fase ainda, o próprio termo segunda onda fica questionável. Acho que estamos vivendo fases diferentes no país", apontou Fortaleza.

Leia mais:

Vacina do Instituto Butantan deve chegar no começo de 2021, diz Dimas Covas

Hidroxicloroquina não deve ser prescrita a hospitalizados, diz diretor do HCor

Diretor da Sociedade Paulista de Infectologia e médico do Hospital das Clínivas, Evaldo Stanislau concorda que é necessário avaliar os números regionais da pandemia, e não apenas os nacionais. Ele ainda destacou que a falta de testagem no Brasil dificulta a análise da evolução da pandemia.

"Entrando numa fase em que outras doenças respiratórias poderão também se confudir com a Covid, a gente tem que ter muito cuidado ao rótular como 'segunda onda'."