Casos da Covid-19 aceleram em dois terços do país, afirma Ministério da Saúde


Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
29 de julho de 2020 às 20:17
Arnaldo Correia de Medeiros

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros

Foto: Julio Nascimento/PR

O Ministério da Saúde atualizou, nesta quarta-feira (29), as projeções para os rumos da pandemia da Covid-19 no Brasil com as informações mais recentes da 30ª semana epidemiológica da doença no país.

De acordo com os números do governo federal, a pandemia ainda acelera em dois terços do país -- 18 das 27 unidades federativas registraram mais casos na semana passada do que na anterior. Na média geral do país, o número de casos confirmados cresceu 36%.

Durante entrevista coletiva, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Correia de Medeiros, ponderou que a pasta informa os dados nacionais de forma consolidada, mas que há situações muito diversas para o novo coronavírus pelo país.

“A gente apresenta os dados do país todo, mas é como se tivéssemos a pandemia se comportando de forma diferente em distintos locais", disse Medeiros, ressaltando que parte do Brasil começa a viver seus meses de mais frio, com maior risco para doenças respiratórias.

Analisando as 27 "pandemias", o número é puxado para cima pelos estados da região Centro-Oeste, onde os ovos casos chegaram a acelerar em até 180%, caso do estado de Goiás, com destaque também para o Mato Grosso, onde a elevação foi de 102%. 

Apesar da aceleração estar concentrada mais ao Sul do que no início da pandemia, parte dos estados mais ao Norte também vivem um aumento no número de novos casos. Em Rondônia, a alta foi de 146%. Em Tocantins e na Bahia, 63%.

Do terço que não está em aceleração, três UFs estão estabilizadas -- Distrito Federal, Alagoas e Ceará. E outras seis estão em queda. São elas os estados do Paraná, Amapá, Amazonas, Pará, Rio Grande do Norte e Espírito Santo.

Assista e leia também:

Roberto Kalil explica riscos de comorbidades, doenças que agravam a Covid-19

Muitas pessoas perderam o olfato com o novo coronavírus. Será que ele volta?

Será que certos tipos sanguíneos nos tornam mais vulneráveis à Covid-19?

Nesta quarta-feira, o Brasil registrou o recorde de novos casos da Covid-19, com 69.074 confirmações. O número foi influenciado pelo fato de que o estado de São Paulo não fez atualização na terça-feira (28) e acumulou nesta quarta dados de dois dias.

Mortes

Em relação às mortes, o cenário é de aceleração em um número menor de unidades federativas brasileiras, doze. Outros sete estados estão estabilizados e oito veem queda no número de novos óbitos registrados pela Covid-19.

Na média geral, as mortes cresceram em 5%, o que ainda permite, segundo a Saúde, falar em manutenção do cenário de estabilização, também conhecido como "platô".

A maior alta nas mortes foi registrada no estado de Rondônia, onde óbitos foram registrados em número 80% maior na última semana do que na anterior. Chama a atenção também o estado do Amapá, onde as mortes cresceram 53% na semana, a despeito dos novos casos terem caído 32%.